Nuno Rodrigues de Candarei


Em que grave dia, senhor, [em] que me vos Deus fez veer!
Ca nunca vos eu rem roguei que vós quiséssedes fazer.
       Pois que vós havedes, senhor,
       tam gram sabor de me matar,
5       rogar quer'eu Nostro Senhor
       que [El] vo-lo leix'acabar.
  
[E] pois entendo que vos praz, senhor fremosa, d'eu morrer,
quer'eu rogar Nostro Senhor que me nom leixe mais viver.
       Pois que vós [havedes, senhor,
10       tam gram sabor de me matar,
       rogar quer'eu Nostro Senhor
       que [El] vo-lo leix'acabar.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

O trovador lamenta o dia em que conheceu a sua senhora, já que nunca ela acedeu a qualquer pedido seu. E pois ela tem tão grande desejo de o matar, ele pede a Nosso Senhor (no refrão) que permita que ela leve esse desejo até ao fim.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras uníssonas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 181

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 181


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas