Antroponímia referida na cantiga:
  (linha 1)

D. Dinis


 Translate

  U noutro dia seve Dom Foam      ←
a mi começou gram noj'a crecer      ←
de muitas cousas que lh'dizer.      ←
Diss'el: "- Ir-m'-ei ca já se deitar ham".      ←
5       E dix'eu: "- Bõa ventura hajades,      ←
       porque vos ides e me leixades".      ←
  
E muit'enfadado de seu parlar      ←
 sevi gram peça, se mi valha Deus,      ←
e tosquiavam estes olhos meus.      ←
10E quand'el disse "Ir-me quer'eu deitar",      ←
       [lh]e dix'eu: "- Bõa ventura hajades,      ←
       porque vos ides e me leixades".      ←
  
El seve muit'e diss'e parfiou      ←
e a mim creceu gram nojo por en      ←
15e nom soub'el se x'era mal se bem.      ←
E quand'el disse "Já m'eu deitar vou",      ←
       dixi-lh'eu: "- Bõa ventura hajades,      ←
       porque vos ides e me leixades".      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Retrato de um chato, que faz o serão prolongar-se indefinidamente, com conversas desinteressantes, não se decidindo a ir-se embora, mas anunciando a cada momento que se vai. Talvez se trate do mesmo D. Fulano da cantiga imediatamente anterior no manuscrito.



Nota geral


Descrição

Escárnio e Maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1539

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1539


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas