Pesquisa no glossário
  (linha 10)

Vasco Peres Pardal


Dom Ansur, per qual serviço fazedes      ←
a 'l-rei, per com'eu ouço razoar,      ←
nunca foi home de vosso logar      ←
 que mais poiasse ca vós poiaredes;      ←
 5ca, pois el-rei o dereito catar,      ←
sei que vós nom pode[re]des errar      ←
que a muit'alto logar nom poiedes.      ←
  
Quiçai depois vós ar baixar-vos-edes,      ←
ca vimos melhores ca vós baixar;      ←
10mais ũa vez quer-vos el-rei alçar      ←
em gram talho, poilo servid'havedes;      ←
mais quant'houverdes punhad'eno dar,      ←
e se desto nom quiserdes minguar      ←
- pois vos alçarem, alçado seredes.      ←
  
15E, Dom Ansur, pola fé que devedes,      ←
pois vos el-rei assi quer encimar,      ←
como dizem, se per vós nom ficar,      ←
per vós nom fiqu', e assi poiaredes      ←
a mui gram talh', u havedes d'estar;      ←
 20e se vós ali unha[r]des poiar,      ←
nunca depois mal andante seredes.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Este D. Ansur satirizado nesta cantiga e na que se segue no manuscrito, será provavelmente o mesmo D. Ansur Moniz a quem o próprio Afonso X dedica também um outro cantar satírico. Vasco Perez Pardal parece aqui prever a sua rápida ascensão, em riquezas e estatuto, dado os serviços prestados ao rei. Na verdade, o trovador, partindo de um equívoco com os termos poiar (subir, prosperar) e alçar, sugere que a sua próxima "ascensão" poderá ser, sobretudo, à forca.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1507

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1507


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas