Toponímia referida na cantiga:
  (linha 6)

Pero Gomes Barroso


 Moir'eu aqui d'adessoriam      ←
e dizem ca moiro d'amor;      ←
e haveria gram sabor      ←
de comer, se tevesse pam;      ←
5e, amigos, direi-vos al:      ←
moir'eu do que em Portugal      ←
morreu Dom Ponço de Baiam.      ←
  
E quantos m'est'a mi dit'ham,      ←
que nom posso comer d'amor,      ←
10dê-lhis Deus [a]tam gram sabor      ←
com'end'eu hei; e v[e]erám      ←
que há gram coita de comer      ←
quem dinheiros nom pod'haver      ←
de que o compr'e nom lho dam.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Pero Gomes Barroso expõe as verdadeiras razões do seu mau aspeto: ao contrário do que dizem, ele não morre de amor, morre de fome. A cantiga inclui uma referência curiosa, mas assaz obscura, à morte do fidalgo português D. Ponço de Baião (tio do trovador D. Afonso Lopes de Baião), que, pelo que se depreende, teria morrido igualmente de fraqueza. Não temos, no entanto, dados que permitam ir além destas suposições. Eventualmente, esta referência será um qualquer remoque indireto ao próprio D. Afonso Lopes de Baião, e, neste caso, talvez tendo ainda como contexto as tensões políticas em torno da deposição de D. Sancho II e da subida ao trono de Afonso III, de quem o senhor de Baião foi um dos mais fiéis partidários. Mas é apenas uma hipótese.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas (rima c singular)
Palavra(s)-rima: (vv. 2 e 3 de cada estrofe)
d'amor, gram sabor
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1441bis, V 1052

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1441bis

Cancioneiro da Vaticana - V 1052


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas