João Soares Coelho, Picandom


- Vedes, Picandom, som maravilhado
eu d'En Sordel, que ouço em tenções
muitas e boas [e] em mui bõos sões,
como fui em teu preito tam errado:
5pois nom sabes jograria fazer,
por que vos fez per corte guarecer?
Ou vós ou el dad'ende bom recado.
  
- Joam Soares, logo vos é dado
e mostrar-vo-l'-ei em poucas razões:
10gram dereit'hei de gaar [muitos] dões
e de seer em corte tam preçado
como segrel que diga mui bem ves,
em canções e cobras, e serventés,
e que seja de falimen guardado.
  
15- Picandom, por vós vos muito loardes,
nom vo-lo catarám por cortesia,
nem por entrardes na tafularia,
nem por beverdes, nem por pelejardes:
e se vos esto contarem por prez,
20nunca Nostro Senhor tam cortês fez
como vós sodes, se o bem catardes.
  
- Joam Soares, por me deostardes,
nom perç'eu por esso mia jograria;
e a vós, senhor, melhor estaria
25d'a tod'home de segre bem buscardes;
ca sei canções muitas e canto bem
e guardo-me de todo falimen
e cantarei, cada que me mandardes.
  
- Sinher, conhosco-mi-vos, Picandom,
30e do que dixi peço-vos perdom
e gracir-vo-l'-ei se mi perdoardes.
  
- Joam Soares, mui de coraçom
vos perdoarei, que mi dedes dom
e mi busquedes prol per u andardes.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

João Soares mete-se agora com Picandom, o jogral ao serviço do trovador provençal, de origem italiana, Sordello, famoso no seu tempo (será um dos citados por Dante na Divina Comédia). Os jocosos ataques de João Soares a Picandom (mas que muito provavelmente se dirigem também, neste modo indireto, ao próprio Sordello), e que incidem sobre o seu suposto mau desempenho profissional (e também a sua alegada má vida) não diferem muito do habitual neste tipo de disputa entre trovadores e jograis. A diferença, nesta tenção, está, por um lado, nos vários provençalismos que Picandom utiliza nas suas respostas, e por outro, no tom relativamente mais cortês que João Soares parece adotar no final.
O contexto em que foi composta esta tenção é algo nebuloso. Sordello esteve seguramente na Península Ibérica, muito possivelmente na década de trinta do século XIII, embora haja alguma discussão quanto à data desta sua estadia. Assim, sendo plausível que esta tenção tenha sido composta no contexto da corte castelhana de Fernando III, também não seria impossível que o encontro entre João Soares Coelho e Sordello tivesse ocorrido no decorrer de alguma das viagens do trovador português ao exterior da Península.



Nota geral


Descrição

Tenção
Mestria
Cobras doblas (rima c singular)
Finda (2)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

V 1021

Cancioneiro da Vaticana - V 1021


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas