Antroponímia referida na cantiga:
  (linha 17)

Gonçalo Anes do Vinhal


Maestre, tôdolos vossos cantares      ←
  já quê filham sempre d'um a razom      ←
 e outrossi ar filham a mi som;      ←
 e nom seguides [i] outros milhares,      ←
 5senom aquestes de Cornoalha;      ←
mais este[s] seguides bem, sem falha,      ←
 e, ai trobador, per tantos logares.      ←
  
D'amor e d'escarnh', em todas razões,      ←
os seguides sempre; [e] bem provado      ←
10eu o sei que [os] havedes filhado;      ←
ca, se ar seguíssedes outros sões,      ←
nom trobaríades peior por en;      ←
pero seguides os nossos mui bem      ←
 e já ogan'i fezestes tenções,      ←
  
15em razom d'um escarnho que filhastes      ←
e nom [no-lo] metestes ascondudo;      ←
ca já quê era de Pedr[o] Agudo      ←
essa razom em que vós i trobastes;      ←
mais assi a soubestes vós deitar      ←
 20antr'ũas rimas e entravincar,      ←
que toda vo-la na vossa tornastes.      ←
  
Par maestria soubestes saber      ←
da razom alhea vossa fazer      ←
e seguir sões, a que vos deitastes.      ←
  
 25E gram careza fezestes, de pram;      ←
mais los trobadores travar-vos-am      ←
já quê nos tempos, que bem nom guardastes.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Este "maestre" a quem se dirige esta cantiga poderá ou não ser o mesmo físico que aparece numa outra cantiga do mesmo trovador, a dar-se o caso dos seus talentos se estenderem à arte de trovar (o que talvez tenha sido o caso de Mestre Nicolás). Mas aqui o universo é exclusivamente trovadoresco: trata-se da questão da "arte de seguir" que este mestre-trovador prezava de sobremaneira. As cantigas de seguir eram cantigas compostas a partir de outras, cuja música, rimas ou mesmo refrão "seguiam". O processo é perfeitamente conforme às melhores regras e vem detalhadamente explicado na Arte de Trovar (capítulo nono). É, pois, a insistência neste tipo de composição que parece servir aqui de acusação: o que este "maestre" faria seria pura e simplesmente um plágio. Para além da chacota, esta cantiga é, assim, uma importante fonte documental sobre alguns aspetos da arte de trovar galego-portuguesa.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras singulares
Finda (2)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

V 1007

Cancioneiro da Vaticana - V 1007


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas