Pesquisa no glossário
  (linha 25)

João Lobeira


Um cavaleiro há 'qui tal entendença      ←
qual vos eu agora quero contar:      ←
faz, u dev'a fazer prazer, pesar,      ←
 e sa mesura toda é entença;      ←
5e o que lhi preguntam, respond'al;      ←
e o seu bem fazer é fazer mal,      ←
e todo seu saber é sem sabença.      ←
  
E nom depart'em rem, de que se vença,      ←
pero lh'outro [a]guisado falar;      ←
 10e verveja, u se dev'a calar,      ←
e nunca diz verdad', u mais nom mença;      ←
 e, u lhi pedem cousimento, fal;      ←
pero é mans', u dev'a fazer al      ←
 e, u deve sofrer, é sem sofrença.      ←
  
15Des i er fala sempr'em conhocença      ←
que sabe bem sem-conhocer mostrar;      ←
e dorme, quando se dev'espertar,      ←
e meos sab', u mete mais femença;      ←
e, se com guisa diz, logo s'en sal;      ←
20e, u lh'avém algũa cousa tal      ←
que lh'é mester cienç', é sem ciença.      ←
  
E nom lhi fazem mal, de que se sença,      ←
ante leix'assi o preito passar,      ←
e os que lhi deviam a peitar,      ←
25peita-lhis el, por fazer aveença,      ←
e diz que nẽum prez nada nom val;       ←
mais Deus, que o fez tam descomunal,      ←
lhi queira dar, por saúde, doença.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Retrato de um cavaleiro "descomunal", como lhe chama João Lobeira: agindo a despropósito, sempre fora do senso comum (e do bom senso).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1389, V 998
(C 1389)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1389

Cancioneiro da Vaticana - V 998


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas