Antroponímia referida na cantiga:
  (linha 1)

Pero Garcia Burgalês


Maria Negra vi eu, em outro dia,      ←
 ir rabialçada per ũa carreira;      ←
 e preguntei-a como ia senlheira,      ←
e por aqueste nome que havia.      ←
5E disse-m'ela'ntom: - Hei nom'assi      ←
por aqueste sinal com que naci,      ←
que trago negro come ũa caldeira.      ←
  
[E] dixi-lh'eu, u me dela partia:      ←
 - Esse sinal é suso na moleira?      ←
10E disse-m'ela daquesta maneira      ←
com'eu a vós direi, e foi sa via:      ←
- Aqueste sinal, se Deus mi perdom,      ←
é negro bem come ũũ carvom      ←
e cabelud'a redor da caldeira.      ←
  
15A grandes vozes lhi dix'eu, u s'ia:      ←
- Que vos direi a Dom Fernam de Meira      ←
desse sinal? Ou é de pena veira      ←
 ou com'é feit'? [E] a Joam d'Ambia?      ←
Tornou-s'ela e disse-m'outra vez:      ←
 20- Dizede-lhis ca chus negro é ca pez      ←
e tem sedas de que faram peneira.      ←
  
E dixi-lh'eu entom: - Dona Maria,      ←
como vós sodes molher [mui] arteira,      ←
assi soubestes dizer, com'arteira,      ←
25esse sinal, que vos nom parecia.      ←
E disse-m'ela: - Per este sinal,      ←
nom'hei de Negr'e muito outro mal      ←
  hei per i, [ca hei] preço de peideira.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Pretenso diálogo entre a soldadeira Maria Negra e o trovador, que quer saber a origem do seu nome ou alcunha. A explicação (que é um equívoco malicioso) é dada por uma Maria Negra sempre em movimento. À mesma soldadeira dirige o trovador a cantiga seguinte.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas (rima c singular)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1382, V 990

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1382

Cancioneiro da Vaticana - V 990


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas