Pesquisa no glossário
  (linha 7)

Martim Soares

Rubrica:

Esta outra cantiga fez a Afons'Eanes do Cotom. Foi de maldizer aposto, em que mostrava dizendo mal de si, as manhas que o outr'havia; e diz assi.


Nostro Senhor, com'eu ando coitado      ←
com estas manhas que mi quisestes dar:      ←
som mui gram putanheir[o] aficado      ←
e pago-me muito d'os dados jogar;      ←
  5des i ar hei mui gram sabor de morar      ←
 per estas ruas, vivend'apartado.      ←
  
Podera-m'eu bem, se foss'avegoso,      ←
caer em bom prez e honrado seer;      ←
 mais pago-m'eu deste foder astroso      ←
10e destas tavernas e deste bever;      ←
e, pois eu já mais nom posso valer,      ←
 quero-m'andar per u seja viçoso.      ←
  
E pois eu entendo que rem nom valho,      ←
nem hei por outra bondad[e] a catar,      ←
15nom quer'eu perder este fodestalho,      ←
nem estas putas nem est[e] entençar,      ←
nem quer'ir per outras fronteiras andar,      ←
perdend'o viç'e dando-mi trabalho.      ←
  
Ainda eu outras manhas havia,      ←
20per que eu nom posso já muito valer:      ←
nunca vos entro na tafularia      ←
que lhi nom haja algum preit'a volver;      ←
porque hei pois em gram coita [a] seer,      ←
é fugir [e] guarir na putaria.      ←
  
 25E pois, quando me vej[o] em meu lezer,      ←
merendo logo; e pois vou mia via;      ←
e leix[o] i putas de mi bem dizer,      ←
e de mias manhas e de mia folia.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

A rubrica que antecede esta cantiga nos Cancioneiros, ao mesmo tempo que nos dá as pistas para o seu entendimento, define claramente o que é que os trovadores entendiam por maldizer aposto, um maldizer posto na boca do próprio visado. De facto, o retrato que nos apresenta esta composição, ainda que dito na primeira pessoa, não é o do trovador, mas o do seu colega Afonso Eanes do Cotom, que Martim Soares põe aqui, ironicamente, a confessar a sua vida desregrada. O final da cantiga parece aludir a uma cena concreta de desacatos numa casa de jogo de que Cotom teria sido protagonista.
Acrescente-se que não é impossível que Martim Soares seguisse aqui a música de uma sua cantiga de amor, cujo incipit é quase idêntico (Nostro Senhor, como jaço coitado).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas (rima c singular)
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1358, V 966
(C 1358)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1358

Cancioneiro da Vaticana - V 966


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas