Toponímia referida na cantiga:
  (linha 1)

Lopo Lias

Rubrica:

  

Outrossi trobou a ũa dona, que nom havia prez de mui salva; e el disse que lhi dera de seus dinheiros por preit'atal que fezesse por el algũa cousa, e pero nom quis por el fazer nada; por en fez estes cantares de maldizer.


A dona fremosa do Soveral      ←
há de mi dinheiros per preit'atal:      ←
que veess'a mi, u nom houvess'al,      ←
  um dia talhado, a cas Dom Corral;      ←
5e é perjurada,      ←
 ca nom fez en nada;      ←
e baratou mal,      ←
ca desta negada      ←
será penhorada      ←
10que dobr'o sinal.      ←
  
Se m'ela crever, cuido-m'eu, dar-lh'-ei      ←
o melhor conselho que hoj'eu sei:      ←
dê-mi meu haver e gracir-lho-ei;      ←
[e] se mi o nom der, penhorá-la-ei:      ←
15ca mi o tem forçado,      ←
do corp'alongado,      ←
nom lho sofrerei;      ←
 mais, polo meu grado,      ←
dar-mi-á bem dobrad'o      ←
20sinal que lh'eu dei.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Entenda-se a rubrica que acompanha a cantiga: o trovador teria dado um adiantamento em dinheiro a uma dona, que não tinha muito boa reputação, para um encontro galante em casa de um tal D. Corral. Como ela teria faltado à promessa, o trovador exige-lhe, maliciosamente, pagamento a dobrar. Os cantares referidos nesta rubrica são dois (vide o segundo).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1351, V 958

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1351

Cancioneiro da Vaticana - V 958


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas