Cantiga referida em nota
  (linha 44)

Lopo Lias


O infançom houv'atal
trégoa migo des Natal
que agora oiredes:
que lhi nom dissesse mal
5da sela nem do brial;
mais aquel dia, vedes,
       ante que foss'ũa légoa,
       comecei
       aqueste cantar da égoa,
10       que nom andou na trégoa;
       e por en lhi cantarei.
  
 Nom neg'eu que trégoa di
ao brial, há sazom [i],
e aa rengelhosa;
 15e de pram andarom i
as mangas do ascari,
mais nom a rabicosa.
       Ante que foss'ũa légoa,
       comecei
20       aqueste cantar da égoa,
       que nom andou na trégoa;
       e por en lhi cantarei.
  
Dei [i] eu ao infançom
e a seu brial [entom]
25trégoa, ca mi a pedia;
e ao outro zevrom,
 a que reng'o selegom;
mais logo naquel dia,
       ante que foss'ũa légoa,
30       comecei
       aqueste cantar da égoa,
       que nom andou na trégoa;
       e por en lhi cantarei.
  
Ao infançom vilam,
35afamado come cam,
e a[a] canterlada
e ó seu brial d'Alvam
trégoa lhi dei eu, de pram;
e, pois lha houvi dada,
40       ante que foss'ũa légoa,
       comecei
       aqueste cantar da égoa,
       que nom andou na trégoa;
       e por en lhi cantarei.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta é a última cantiga do ciclo dirigido aos infanções de Lemos. De facto, ela desenvolve-se como uma espécie de post-scriptum, depois da trégua alegadamente acordada entre o trovador e os visados. Acontece que D. Lopo Lias não conseguiu resistir à nova aquisição do infanção - uma égua que não estava incluída no acordo de paz.
Para a contextualização e possível datação deste ciclo, veja-se a Nota Geral à primeira das suas cantigas.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1349, V 956

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1349

Cancioneiro da Vaticana - V 956


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas