Toponímia referida na cantiga:
  (linha 8)

Lopo Lias


A mi quer mal o infançom,      ←
a mui gram tort'e sem razom,      ←
 por trobadores d'Orzelhom      ←
que lhi cantam a seu brial;      ←
 5       e pesa-m'en e é-mi mal      ←
       que lh'escarnirom seu brial      ←
       que era nov'e de cendal.      ←
  
Quantos hoj'em Galiza som,      ←
atá em terra de Leon,      ←
10todos com o brial "colhom"      ←
dizem, e fazem-no mui mal;      ←
       e pesa-m'en e é-mi mal      ←
       que lh'escarnirom seu brial      ←
       que era nov'e de cendal.      ←
  
15E seu irmão, o zevrom,      ←
que lhi quer mal de coraçom      ←
porque lhi reng'o selegom      ←
- e, se lhi renge, nom m'en cal;      ←
       e pesa-m'en e é-mi mal      ←
20       que lh'escarnirom seu brial      ←
       que era nov'e de cendal.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Mais uma composição do ciclo que D. Lopo Lias dedica aos infanções de Lemos.
Para a contextualização e possível datação deste ciclo, veja-se a Nota Geral à primeira das suas cantigas.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1341, V 948

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1341

Cancioneiro da Vaticana - V 948


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas