Toponímia referida na cantiga:
  (linha 14)

Lopo Lias


Tercer dia ante Natal,      ←
[o] de Lemos lhi foi dar      ←
       um brial a mia senhor bela;      ←
        e ao zevrom renge-lh'a sela.      ←
5       Um brial a mia senhor bela,      ←
       e ao zevrom renge-lh'a sela.      ←
  
Sei eu um tal cavaleiro      ←
que lhi talhou em Janeiro      ←
       um brial a mia senhor bela;      ←
10       e ao zevrom renge-lh'a sela.      ←
       Um brial a mia senhor bela,      ←
       e ao zevrom renge-lh'a sela.      ←
  
 Filhou-lh'o manto caente      ←
e talhou-lho em Benavente      ←
15       um brial a mia senhor bela;      ←
       e ao zevrom renge-lh'a sela.      ←
       Um brial a mia senhor bela,      ←
       e ao zevrom renge-lh'a sela.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Mais uma composição do ciclo que D. Lopo Lias dedica aos infanções de Lemos. Aqui, é especialmente o manto de seda que um deles teria dado à sua senhora bela pelo Natal (subtraindo-lhe o seu manto quente) o objeto do riso.
Para a contextualização e possível datação deste ciclo, veja-se a Nota Geral à cantiga anterior (a primeira). Note-se, de qualquer modo que, na hipótese muito plausível de um contexto político para todo este ciclo (nomeadamente, se esse contexto foi o conturbado período do tratado de Benavente, assinado pouco antes do Natal de 1230, e que implicou a abdicação forçada das infantas Sancha e Dulce aos seus direitos sobre o trono de Leão), a questão da troca de mantos poderia ter um sentido crítico bem diferente. Se é certo que as datas referidas na cantiga não coincidem exatamente com o dia da assinatura do tratado (11 de dezembro), decerto que as semanas imediatamente anteriores e posteriores terão sido decisivas no posicionamento das várias partes em conflito (incluindo os irmãos infanções, alvos concretos da sátira). Remetemos novamente para o estudo de José António Souto Cabo1, onde este assunto é largamente discutido.

Referências

1 Souto Cabo, José António (2016), "En cas da Ifante. Figuras femininas no patrocínio da lírica galego-portuguesa", in Estudos en homenaxe a Mercedes Brea, Santiago de Compostela, Universidade de Santiago de Compostela.
      Aceder à página Web




Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1339, V 946

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1339

Cancioneiro da Vaticana - V 946


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas