Estêvão da Guarda

Rubrica:

   

Esta cantiga foi feita a um que fora privado del-Rei, e quando estava mui bem do amor del-Rei, apoinham-lhe que era mui levantado como homem de mal recado e aas vezes, quando el-Rei nom fazia sa vontade, tornava mui manso e mui cordo e mui misurado.


Diss'hoj'el-rei: - Pois Dom Foão mais val
seendo pobre - o gram bem fazer
que lh'eu fiz sempre o faz ensandecer -,
se m'el bem quer, meus amigos, em tal
5       que me queira já mal, mal lhi farei
       padecer, e desensandecê-l'-ei.
  
Pois em pobreza nom sal de seu sem
e o bem fazer o torna sandeu,
por padecer o que nom padeceu,
10pero, meus amigos, diz que me quer bem,
       que me queira já mal, mal lhi farei
       padecer, e desensandecê-l'-ei.
  
Pois lhi Deus atal ventura deu
que em pobreza tod'o seu sem há
15e com bem fazer sandice lhi dá,
pero m'el quer bem e se tem por meu,
       que me queira já mal, mal lhi farei
       padecer, e desensandecê-l'-ei.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

Cantiga que a rubrica explica perfeitamente. Não sabemos quem seria este privado, mas não é impossível que fosse de novo o bispo D. Miguel Vivas, a quem Estêvão da Guarda dirige uma outra cantiga.
A composição segue uma cantiga de amigo de Estêvão Fernandes d´Elvas, cujo refrão é "que me queira já mal, mal me farei/ parecer e desensandecê-l´-ei".



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1313, V 918

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1313

Cancioneiro da Vaticana - V 918


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas