Antroponímia referida na cantiga:
  (linha 13)

Estêvão da Guarda


Pois a todos avorrece      ←
 este jogar avorrido      ←
de tal molher e marido,      ←
que a mim razom parece      ←
  5       de trager, por seu pedrolo,      ←
       o filho d'outro no colo.      ←
  
Pois ela trage camisa      ←
 de sirgo tam bem lavrada,      ←
e vai a cada pousada      ←
10por algo, nom é sem guisa      ←
       de trager, por seu pedrolo,      ←
       o filho d'outro no colo.      ←
  
Como Pero da Arruda      ←
foi da molher ajudado,      ←
15nom é mui desaguisado,      ←
pois lh'esta faz tal ajuda,      ←
       de trager, por seu pedrolo,      ←
       o filho d'outro no colo.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Divertida sátira a um casal e ao seu "jogo" doméstico: se a mulher se prostituía com a conivência do marido (que ganhava com o negócio), não era de admirar que ele trouxesse ao colo filhos que não eram seus. Excecionalmente, esta cantiga remete o nome do visado, Pero da Arruda, para a última estrofe (quando, por norma, ele é indicado logo na primeira).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1306, V 911
(C 1306)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1306

Cancioneiro da Vaticana - V 911


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas