Toponímia referida na cantiga:
  (linha 2)

Martim de Ginzo


Treides, ai mia madr', em romaria      ←
 orar u chamam Santa Cecília,      ←
       e louçana irei,      ←
       ca já i est o que namorei,      ←
5       e louçana irei;      ←
  
 e treides migo, madre, de grado,      ←
ca meu amig'é por mi coitado,      ←
       e louçana irei,      ←
       ca já i est o que namorei,      ←
10       e louçana irei      ←
  
orar u chamam Santa Cecília,      ←
pois m'[i] aduss'o que bem queria,      ←
       e louçana irei,      ←
       ca já i est o que namorei,      ←
15       e louçana irei,      ←
  
ca meu amig'é por mi coitado,      ←
e pois eu nom farei seu mandado?      ←
       E louçana irei,      ←
       ca já i est o que namorei,      ←
20       e louçana irei.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

A donzela incita a mãe a irem sem demora em romaria a Santa Cecília, pois já lá está o seu amigo. Foi a santa quem o fez voltar. E se ele lhe marcou o encontro, poderá ela faltar?



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras alternadas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1272, V 878

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1272

Cancioneiro da Vaticana - V 878


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas