Pesquisa no glossário
  (linha 4)

Martim Soares


 Nostro Senhor! como jaço coitado,       ←
morrend'assi em tal poder d'Amor,      ←
  que me tolheu o sem e, mal pecado!,       ←
al me tolh'el, de que mi faz peor:      ←
5tolhe-me vós, a que nom sei rogar       ←
pola mia coita, nem vo-la mostrar      ←
 assi me tem end'Amor obridado.      ←
  
 E grave dia com Amor foi nado,      ←
que me de coita sempre sofredor      ←
 10fez e m'ar faz viver tam alongado      ←
d'u eu os olhos vi da mia senhor      ←
e d'u eu vi o seu bom parecer;      ←
 se m'est'a mim podess'escaecer,      ←
log'eu seria guarid'e cobrado.      ←
  
15E saberia, d'algum bem, mandado,      ←
de que hoj'eu nom sõo sabedor      ←
– mais sei que éste desej'e cuidado,      ←
e como morre quem jaz na maior       ←
coita d'amor das que eu nunca vi;      ←
20e, mal pecado!, moir'hoj'eu assi,      ←
de mia senhor long'e desemparado.      ←
  
E dereit'é, ca fui mal conselhado      ←
que lhe falei, pero m'houv'en sabor,      ←
 ca entendi que foi tam sem seu grado,      ←
25que lhe fugi da terra com pavor      ←
que houve dela; e fiz mui mal sem,      ←
ca nom mi havi'a dizer nulha rem      ←
ond'eu nem outrem fosse despagado.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Em poder do Amor, que lhe tirou a razão, o trovador sofre; mas sofre sobretudo porque está longe da sua senhora e não lhe ousa confessar o seu amor. Se pudesse esquecer a imagem da sua beleza, poderia curar-se e sentir de novo algum prazer. Mas tudo o que sente é desejo e cuidado, longe dela e à beira da morte.
Na última estrofe, ele argumenta, no entanto, que é justo que se sinta assim: foi insensato e falou-lhe; mas sentindo que as suas palavras não eram bem recebidas, o medo levou-o a fugir então para longe. E agiu novamente de forma insensata, já que jamais ela diria qualquer coisa desagradável, a ele ou a qualquer outro (o que é uma das leituras possíveis para os versos finais, algo ambíguos, como explicamos melhor na respetiva nota).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras uníssonas (rima c singular)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 43, B 155

Cancioneiro da Ajuda - A 43

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 155


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas