Lopo


Por Deus vos rogo, madre, que mi digades
que vos mereci que mi tanto guardades
       d'ir a Sam Leuter falar com meu amigo.
  
Fazede-mi ora quanto mal [vós] poderdes,
 5ca nom me guardaredes, pero quiserdes,
       d'ir a Sam Leuter falar com meu amigo.
  
Nunca vos fiz rem que nom devess'a fazer
e guardades-me tanto que nom hei poder
       d'ir a Sam Leuter falar com meu amigo.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

A donzela pergunta à sua mãe por que motivo a mantém sob apertada vigilância, impedindo-a de ir à ermida de S. Eleutério encontrar-se com o seu amigo. Mas garante (na 2ª estrofe) que, faça a mãe o que fizer, ela acabará por ir.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1253, V 858

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1253

Cancioneiro da Vaticana - V 858


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas