Nuno Trez


Des quando vos fostes daqui,
meu amigo, sem meu prazer,
houv'eu tam gram coita des i
qual vos ora quero dizer:
5       que nom fezerom des entom
       os meus olhos, se chorar nom,
       nem ar quis o meu coraçom
       que fezessem, se chorar nom.
  
E des que m'eu sem vós achei,
10sol nom me soub'i conselhar
e mui triste por en fiquei
e com coita grand'e pesar,
       que nom fezerom des entom
       os meus olhos, se chorar nom,
15       nem ar quis o meu coraçom
       que fezessem, se chorar nom.
  
E fui eu fazer oraçom
a Sam Clemenç'e nom vos vi
e bem des aquela sazom,
20meu amigo, avẽo-m'assi:
       que nom fezerom des entom
       os meus olhos, se chorar nom,
       nem ar quis o meu coraçom
       que fezessem, se chorar nom.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

A moça diz ao seu amigo que, desde que ele partiu, nunca mais deixou de chorar. De resto, foi rezar à ermida de S. Clemenço, para ver se o via, mas não o encontrou.
Esta ermida de S. Clemenço é referida em todas as cantigas de Nuno Trez que nos chegaram, e que deveriam constituir um ciclo, tendo por cenário esta santuário na ria de Pontevedra.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1200, V 805
(C 1200)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1200

Cancioneiro da Vaticana - V 805


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas