Pesquisa no glossário
  (linha 20)

Pero Meogo


Enas verdes ervas      ←
vi andá'las cervas,      ←
       meu amigo.      ←
  
Enos verdes prados      ←
5vi os cervos bravos,      ←
       meu amigo.      ←
  
 E com sabor delas      ←
lavei mias garcetas,      ←
       meu amigo.      ←
  
10E com sabor delos      ←
lavei meus cabelos,      ←
       meu amigo.      ←
  
Des que los lavei      ←
d'ouro los liei,      ←
15       meu amigo.      ←
  
Des que las lavara,      ←
d'ouro las liara,      ←
       meu amigo.      ←
  
D'ouro los liei      ←
20e vos asperei,      ←
       meu amigo.      ←
  
D'ouro las liara      ←
e vos asperava,      ←
       meu amigo.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Mais uma composição de Pero Meogo com uma forte componente simbólica. Nela, a moça conta ao seu amigo como, num verde prado, viu um grupo de cervas e cervos. Ainda sob o efeito do prazer que sentiu ao vê-los, lavou os seus cabelos, atou-os depois em tranças com um fio de ouro, e dispôs-se a esperá-lo.
O locus amoenus, isolado e propenso a encontros amorosos, a lavagem dos cabelos, soltos e logo depois ligados com fio de ouro, a que se vêm juntar os cervos selvagens (machos e fêmeas) em liberdade, constituem um quadro idílico mas também fortemente sensual, cujo caráter simbólico é evidente. Mas a arte de Pero Meogo comprova-se também, por exemplo, no efeito sinestésico que a referência ao "ouro" consegue provocar no leitor (que eventualmente visualizará uma moça com cabelos loiros, quando, efetivamente, nada nos é dito sobre a sua cor): um "ouro" que, se aqui serve para "ligar" os cabelos, apela ainda, implicitamente, à imagem do anel que "liga" simbolicamente os apaixonados.
Também formalmente a cantiga reforça este quadro, sendo de salientar, para além da simplicidade do refrão (que torna o amigo presente em todas as estrofes), o artifício das rimas chamadas femininas/ masculinas nas quatro primeiras estrofes, e a técnica do leixa-pren nas quatro últimas.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão e Paralelística
Cobras alternadas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1189, V 794

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1189

Cancioneiro da Vaticana - V 794


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Enas verdes ervas      versão audio disponível

Versão de Paulina Ceremużyńska

Composição/Recriação moderna

Enas verdes ervas      versão audio disponível

Versão de Shira Kammen, Ensemble Alcatraz

En as verdes ervas 

Versão de Frederico de Freitas

E nas verdes ervas      versão audio disponível

Versão de Pedro Barroso

Cantar de amigo 

Versões de Tomás Borba

Enas verdes ervas      versão audio disponível

Versão de Xoán Eiriz

Verdes herbas      versão audio disponível

Versão de DOA