Cantiga referida em nota
  (linha 34)

Juião Bolseiro, João Soares Coelho


 - Joam Soárez, de pram as melhores
terras andastes, que eu nunca vi:
d'haverdes donas por entendedores
mui fremosas, quaes sei que há i,
 5fora razom; mais u fostes achar
d'irdes por entendedores filhar
sempre quand'amas, quando tecedores?
  
- Juião, outros mais sabedores
quiserom já esto saber de mim,
10e em todo trobar mai[s] trobadores
que tu nom és; mais direi-t'o que vi:
 vi boas donas tecer e lavrar
cordas e cintas, e vi-lhes criar,
 per bõa fé, mui fremosas pastores.
  
15- Joam Soárez, nunca vi chamada
molher ama, nas terras u andei,
 se por emparament'ou por soldada
 nom criou mês, e mais vos en direi:
enas terras u eu soía viver,
20nunca mui bõa dona vi tecer,
mais vi tecer algũa lazerada.
  
 - Juião, por est', outra vegada,
com outro tal trobador entencei;
fiz-lhe dizer que nom dezia nada,
25com'or'a ti desta tençom farei;
vi boas donas lavrar e tecer
cordas e cintas, e vi-lhes teer
mui fremosas pastores na pousada.
  
- Joam Soárez, u soía viver,
30nom tecem donas, nem ar vi teer
berç'ant'o fog'a dona muit'honrada.
  
- Juião, tu deves entender
que o mal vilam nom pode saber
de fazenda de bõa dona nada.
  



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta tenção é mais uma das composições que fazem parte da célebre "questão da ama", jocosa polémica desencadeada por uma cantiga de amor na qual D. João Soares Coelho aparentemente elogiava não uma senhor ideal, mas uma ama de leite. Aqui, o jogral Juião Bolseiro dá conta do seu espanto pelo facto de um homem tão viajado e culto ter tido tal ideia. Segue-se a discussão sobre o que é ou não uma boa dona e quais as atividades que lhe são próprias. Repare-se na chamada à ordem que o trovador faz ao jogral na última finda: como é que um vilão como ele pode saber o que faz ou deixa de fazer uma boa dona?
Repare-se igualmente que a tenção é, ao mesmo tempo, um interessante documento sobre a vida feminina medieval.



Nota geral


Descrição

Tenção
Mestria
Cobras doblas
Finda (2)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1181, V 786

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1181

Cancioneiro da Vaticana - V 786


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas