João Servando


A Sam Servand'em oraçom
foi meu amig'e, porque nom
foi e[u], chorarom des entom
       estes meus olhos com pesar;
5       e non'os poss'end'eu quitar
       estes meus olhos de chorar.
  
Pois que s'agora foi daqui
o meu amig'e o nom vi,
filharom-s'a chorar des i
10       estes meus olhos com pesar;
       e non'os poss'end'eu quitar
       estes meus olhos de chorar.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

A donzela não consegue deixar de chorar: o seu amigo foi a S. Servando e ela não conseguiu ir ter com ele. Pressupõe-se que ele teria ido ao santuário fazer uma oração antes da partida, referida na 2ª estrofe (e igualmente na cantiga anterior).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1144, V 736
(C 1144)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1144

Cancioneiro da Vaticana - V 736


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas