Toponímia referida na cantiga:
  (linha 2)

João, jograr


A sa vida seja muita,      ←
deste rei de Portugal,      ←
que cada ano mi há por fruita,       ←
pero que eu canto mal.      ←
5E al vou mui confortado      ←
da mercee que m'el faz,      ←
 e el é rei acabado      ←
e eu som mui mao rapaz.      ←
  
Os reis mouros e cristãos,       ←
10mentre viver lh'hajam medo,      ←
que el há mui bem as mãos;       ←
e o ifante dom Pedro,      ←
seu filho, que s'aventura      ←
a um grand'usso matar,      ←
 15é des i, e sempre cura      ←
d'el-rei seu padre guardar.      ←
  
 E al do Conde falemos,       ←
que é irmãao d'el-rei;      ←
e muito bem del diremos,       ←
20segundo como apres'hei:      ←
se fosse seu o tesouro,      ←
que el-rei de França tem,      ←
tam bem prata como ouro,       ←
 daria todo a seu sem.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Cantiga de louvor a D. Afonso IV (filho e sucessor de D. Dinis), que inclui o elogio de toda a família.
Se os versos que enaltecem a sua bravura militar (e onde o jogral se refere ao medo que deverão ter "os reis mouros e cristãos") aludem à batalha do Salado (1340), esta composição será certamente uma das últimas cantigas da poesia galego-portuguesa que os cancioneiros nos transmitem.



Nota geral


Descrição

Loor
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1116, V 707
(C 1116)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1116

Cancioneiro da Vaticana - V 707


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas