João Baveca


Cuidara eu a mia senhor dizer
o mui gram bem que lhi quer'e pavor
houvi d'estar com ela mui peor
ca estava, e nom lh'ousei dizer
5       de quanta coita por ela sofri,
       nem do gram bem que lhe quis, poila vi.
  
E nom cuidei haver de nulha rem
med'e, por esto m'esforcei entom
e foi ant'ela, se Deus mi perdom,
10por lho dizer, mais nom lhi dixi rem
       de quanta coita por ela sofri,
       nem do gram bem que lhe quis, poila vi.
  
Bem esforçado fui por lhi falar
na mui gram coita que por ela hei,
15e fui ant'ela, e siv'e cuidei
e catei-a, mais nom lh'ousei falar
       de quanta coita por ela sofri,
       nem do gram bem que lhe quis, poila vi,
  
e quer'e querrei sempre des aqui.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Em nítida sequência com a cantiga anterior, o trovador diz agora que, por medo de a sua situação piorar, não conseguiu afinal levar por diante a sua decisão de confessar o seu amor à sua senhora. Bem tentou falar com ela, mas, uma vez na sua presença, a hesitação paralisou-o, limitando-se a olhá-la demoradamente e sem nada conseguir dizer.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
Dobre: (vv. 1 e 4 de cada estrofe)
dizer (I), rem (II), falar (III)
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1104, V 695
(C 1110)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1104

Cancioneiro da Vaticana - V 695


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas