Pesquisa no glossário
  (linha 7)

Martim Peres Alvim


- Senhor fremosa, si veja prazer,      ←
pois vos nom vi, houvi tam gram pesar       ←
que nunca mi Deus d'al prazer quis dar.      ←
       - Como podestes tanto mal sofrer?       ←
 5       - Cuidei em vós e por esto guari:      ←
       que nom vivera rem do que vevi.      ←
  
- Senhor fremosa, direi-vos eu al      ←
e creed'esto, meu lum'e meu bem:      ←
pois vos nom vi, nom vi prazer de rem.      ←
10       - Como podestes sofrer tanto mal?       ←
       - Cuidei em vós e por esto guari:      ←
       que nom vivera rem do que vevi.      ←
  
- Creede, lume destes olhos meus,      ←
que, des que vos eu nom pudi veer,       ←
15pero viia, nunca vi prazer.      ←
       - Como sofrestes tanto mal por Deus?       ←
       - Cuidei em vós e por esto guari:      ←
       que nom vivera rem do que vevi.       ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Em diálogo com a sua senhora, o trovador confessa-lhe, que, desde o momento em que deixou de a poder ver, sentiu tal tristeza que nunca mais teve qualquer prazer. A senhora pergunta-lhe então como pôde ele suportá-lo. Ao que ele responde que foi apenas pensando nela, doutra forma não teria sobrevivido.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão, Dialogada
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1058, V 648

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1058

Cancioneiro da Vaticana - V 648


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

[Por vós fremosa, assi veja prazer] 

Versão de Tomás Borba