João Airas de Santiago


Vai-s', amiga, meu amigo daqui
triste, ca diz que nunca lhi fiz bem,
mais, se o virdes ou ante vós vem,
dizede-lhi ca lhi dig'eu assi:
5       que se venha mui ced'e, se veer
       cedo, que será como Deus quiser.
  
Per bõa fé, nom lhi poss'eu fazer
bem, e vai triste no seu coraçom,
mais, se o virdes, se Deus vos perdom,
10dizede-lhi que lhi mand'eu dizer
       que se venha mui ced'e, se veer
       cedo, que será como Deus quiser.
  
Queixa-s'el e diz que sempre foi meu,
e diz gram dereito, per bõa fé,
15e nom lhi fiz bem, e tem que mal é,
mais dizede-lhi vós que lhi dig'eu
       que se venha mui ced'e, se veer
       cedo, que será como Deus quiser.
  
E nom se queixe, ca nom lh'há mester,
20e filhe o bem quando lho Deus der.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Sabendo que o seu amigo parte triste porque ela não lhe concedeu os seus favores, a donzela pede a uma amiga para lhe dizer que regresse ele o mais cedo que puder e logo se verá.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1020, V 610

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1020

Cancioneiro da Vaticana - V 610


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas