João Airas de Santiago


O meu amigo novas sabe já
daquestas cortes que s'ora fará[m],
ricas e nobres dizem que serám,
e meu amigo bem sei que fará
5       um cantar em que dirá de mim bem;
       ou o fará ou já o feito tem.
  
Loar-mi-á muito e chamar-mi-á senhor,
ca muit'há gram sabor de me loar;
10a muitas donas fará gram pesar,
mais el fará, com'é mui trobador,
       um cantar em que dirá de mim bem;
       ou o fará ou já o feito tem.
  
En'aquestas cortes que faz el-rei
15loará mim e meu [bom] parecer
e dirá quanto bem poder dizer
de mim, amigas, e fará, bem sei,
       um cantar em que dirá de mim bem;
       ou o fará ou já o feito tem.
  
Ca o virom cuidar, e sei eu bem
que nom cuidava já em outra rem.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

El-rei convocou cortes, a notícia já chegou, e a donzela sabe que o seu amigo trovador fará (ou já fez) um cantar para a ocasião, um cantar em que a louvará como sua senhora (ou seja, uma cantiga de amor), o que deixará as restantes donas despeitadas. E a donzela sabe disto porque lhe constou que o viram pensativo, sinal que se concentrava na composição.
Note-se que esta cantiga de amigo, para além ser de um indireto e malicioso auto-elogio do seu autor, o próprio João Airas, nos fornece ainda um conjunto de indicações factuais sobre a arte trovadoresca, desde os modos e circunstâncias de composição de cantigas aos modos e circunstâncias da sua apresentação pública (o espetáculo trovadoresco, no caso, no contexto de umas cortes, cuja data é, no entanto, difícil de precisar).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

V 597

Cancioneiro da Vaticana - V 597


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas