Serventês

Luís Cília, Compositor

Composição/Recriação moderna
1971


Intervenientes

Compositor: Luís Cília
Viola: Luís Cília
Canto: Luís Cília


Ouvir música




Gravação

La poésie portugaise de nos jours et de toujours – 3
Luís Cília
(LP)      (Fonte2)
Ano: 1971, França, Moshé-Naim

Texto adaptado por Natália Correia.

Cantiga original O que foi passar a serra

O que foi passar a serra
e nom quis servir a terra,
é ora, entrant'a guerra,
       que faroneja?
Pois el agora tam muito erra,
       maldito seja!
O que levou os dinheiros
e nom troux'os cavaleiros,
é por nom ir nos primeiros
       que faroneja?
Pois que vem cõn'os prostumeiros,
       maldito seja!
O que filhou gram soldada
e nunca fez cavalgada,
é por nom ir a Graada
       que faroneja?
Se é ric'homem ou há mesnada,
       maldito seja!
O que meteu na taleiga
pouc'haver e muita meiga,
é por nom entrar na Veiga
       que faroneja?
Pois chus mol é [el] que manteiga,
       maldito seja!