Cantar de amigo

Tomás Borba, Compositor

Composição/Recriação moderna
Década de 20/30 do século XX

Ver pauta Ver pauta

Intervenientes

Compositor Tomás Borba
Harpa/piano
Canto (tenor)


Sem audio disponível


Tomás Borba atribui a autoria da cantiga a Pedro de Ornelas. A versão musical nunca foi gravada.

Cantiga original Nostro Senhor! e ora que será

Nostro Senhor! e ora que será
de mim? Que moiro, porque me parti
de mia senhor mui fremosa, que vi
polo meu mal! E de mi que será,
Nostro Senhor? Ou ora que farei?
Ca, de pram, nẽum conselho nom hei,
nem sei que faça, nem que xe será
de mim, que moiro e nom me sei já
nẽum conselh'outro senom morrer!
E tam bom conselho nom poss'haver,
pois que nom cuido nunca veer já
esta senhor, que por meu mal amei,
des que a vi, e am'e amarei
mentr'eu viver; mais nom viverei já
mais des aqui, de pram, per nulha rem,
cuidando sempre no meu coraçom
no mui gram bem que lh'hoj'eu quer', e non'
a veer, nen'a cuidar já per rem
a veer. E com aqueste cuidar
cuid'a morrer; ca nom poss'hoj'osmar
com'eu possa viver per nulha rem,
poila nom vej'; e cuid'em quanto bem
lhe Vós fezestes em tod', ar cuid'al,
em com'a mim fezestes muito mal:
pois já quisestes que lh'eu tam gram bem
quisesse, nom mi o fazer alongar
de a veer, e tam a meu pesar!
Nostro Senhor, u me faredes bem?
A la fé, nenlhur, aquesto sei já!
Ca, se a nom vir, nunc'haverei rem.