Glossário

Ar


Significado: também

Cantigas em que ocorre o termo



A Deus grad'hoje, mia senhor, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 20): e me non'ar quiser guisar

Achou-s'um bispo que eu sei um dia, Airas Nunes
   (Linha 25): nem ar entendo que per vós .....[alha];

Agora me part'eu mui sem meu grado, Pero da Ponte
   (Linha 30): fic'eu sem vós e nom ar fica migo,

Ai amigas, perdud'ham conhocer, João Garcia de Guilhade
   (Linha 6): e al fazem, de que m'ar é peor:

Ai eu coitado! e quand'acharei quem, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 4): E nom posso! Nem ar poss'achar quem

Ai mia senhor e meu lum'e meu bem!, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 25): Nem ar digo por vos prazentear,

Ai mia senhor! se eu nom merecesse, Martim Soares
   (Linha 13): por mal de mim, e nom m'ar quis valer

Algũa vez dix'eu em meu cantar, Martim Moxa
   (Linha 19): e ar pesará [a] quem me bem quiser;

Amiga, dizem que meu amig'há, João Baveca
   (Linha 6): e se lh'ar faç'algum bem, outro tal.

Amiga, muit'há que nom sei, Fernão Fernandes Cogominho
   (Linha 2): nem mi ar veestes vós dizer,

Amigo, pois me vos aqui, João Soares Coelho
   (Linha 7): E ar direi-vos outra rem:

Amor, des que m'a vós cheguei, Anónimo
   (Linha 34): e ar direi, se Deus quiser,

Ansur Moniz, muit'houve gram pesar, Afonso X
   (Linha 12): e d'Azeved'ar é mui natural,

As mias jornadas vedes quaes som, Afonso Anes do Cotom
   (Linha 11): e ar se guarde quem s'há por guardar,

Bem me cuidei eu, Maria Garcia, Afonso Anes do Cotom
   (Linha 16): nem ar sej'eu eno vosso casal;

[...] Ca vós nom sodes d'amor tam forçado, Pero Garcia de Ambroa
   (Linha 3): como dizedes, nem vos ar convém

Cada que vem o meu amig'aqui, João Garcia de Guilhade
   (Linha 6): nen'o ar vejo nunca ensandecer.

Cativ'! E sempre cuidarei?, Afonso Mendes de Besteiros
   (Linha 3): Ar cuido no meu coraçom

Cativo! mal conselhado!, Martim Moxa
   (Linha 18): nem ar cuid'a gradoar

Cavaleiro, com vossos cantares, Martim Soares
   (Linha 20): pera atambores ar dizem que nom

Como vós sodes, mia senhor, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 3): assi m'ar quit'eu de querer

Conselhou-mi ũa mia [a]miga, João Vasques de Talaveira
   (Linha 3): e ar dix'eu, pois m'en parti, atal:

Contar-vos-ei costumes e feituras, Fernão Soares de Quinhones
   (Linha 27): e, ena paz, nom ar sei eu cochom

Cuidades vós, mia senhor, que mui mal , Rui Queimado
   (Linha 6): se m'i ar fezerdes bem, aque melhor!

De grado queria ora saber, Afonso X
   (Linha 19): Outrossi lhis ar vejo [i] trager

De mia senhor entend'eu ũa rem:, Rui Pais de Ribela
   (Linha 15): pero me mal ar quisesse, des i

De Sueir'Eanes direi, Pero da Ponte
   (Linha 4): nem ar quer i mentes meter;

De tal guisa me vem gram mal, Martim Soares
   (Linha 20): nem m'ar poss'eu dela quitar.

De vos servir, mia senhor, nom me val, Afonso Sanches
   (Linha 3): sei eu de vós: que vos ar fez Deus tal

Des quando me mandastes, mia senhor, Fernão Rodrigues de Calheiros
   (Linha 15): senhor, ar nembre-vos algũa vez

Des quando vos fostes daqui, Nuno Trez
   (Linha 7): nem ar quis o meu coraçom

Des que vos eu vi, mia senhor, me vem , Fernão Gonçalves de Seabra
   (Linha 9): pero avém-mi o que vos ar direi:

Desej'eu bem haver de mia senhor, João Airas de Santiago
   (Linha 13): nem lh'ar diga nulh'home que mal fez,

Deus! que pouco que sabia, Diogo Moniz
   (Linha 19): Mais logo m'ar mataria

Direi verdade, se Deus mi perdom, Pero Gomes Barroso
   (Linha 14): nem ar hei [rem] que lhi gradesca i,

Disserom m'hoj', ai amiga, que nom, Paio Gomes Charinho
   (Linha 6): saque-o Deus de coitas, que a[r] jogou

Dizem que ora chegou Dom Beeito, João Airas de Santiago
   (Linha 12): e ar dizem que mercou atam mal,
   (Linha 6): os vossos olhos, nem ar veerám

Dom Estêvam, eu eiri comi, Mem Rodrigues Tenoiro ou Airas Peres Vuitorom
   (Linha 6): os vossos olhos, nem ar veerám

Dom Fernando, vejo-vos andar ledo, Airas Peres Vuitorom
   (Linha 11): nom vos ar lev'atrás vosso pecado;

Dom Gonçalo, pois queredes ir daqui pera Sevilha, Afonso X
   (Linha 31): E ar oí-vos dizer que a quem quer que chagassem

Elvira López, que mal vos sabedes, João Garcia de Guilhade
   (Linha 18): e vós já quanto que ar dormiredes,

Em grave dia, senhor, que vos vi, João Soares Coelho
   (Linha 22): E ar quero-vos ora conselhar,

Em tal poder, fremosa mia senhor, Martim Soares
   (Linha 29): e, mia senhor, al vos ar direi en:

Estava-m'em Sam Clemenço, u fora fazer oraçom, Nuno Trez
   (Linha 11): porque viu que mi prazia, ar começou-m[e] a falar,

Estavam hoje duas soldadeiras, João Baveca
   (Linha 6): E diss'a outra: - Vós com'ar veedes

Fernand'Escalho vi eu cantar bem, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 5): mais ar direi-vos per que o perdeu:

Fiz meu cantar e loei mia senhor, Rui Queimado
   (Linha 17): mais ar hajam de seu quen'as loar

Fostes, amig', hoje vencer, João Garcia de Guilhade
   (Linha 4): ar direi-vos outro prazer:

Hom'a que Deus bem quer fazer, Fernão Garcia Esgaravunha
   (Linha 5): nen'o ar faz longe morar

Ir-vos queredes, amigo, João Servando
   (Linha 9): E ar direi-vos outra rem:

Ir-vos queredes, mia senhor, Nuno Fernandes Torneol
   (Linha 11): Mais ar dizede-me vós al:

Já m'eu quisera leixar de trobar, Fernão Rodrigues de Calheiros
   (Linha 23): se ar visse quem se loasse en,

Joam Fernández, o mund'é torvado, João Soares Coelho
   (Linha 5): e ar veemos aqui dom pedir

Joam Fernandéz, que mal vos talharom, Martim Soares
   (Linha 10): Joam Fernández; ar direi-vos al:
   (Linha 30): nom tecem donas, nem ar vi teer

- Joam Soárez, de pram as melhores, Juião Bolseiro, João Soares Coelho
   (Linha 30): nom tecem donas, nem ar vi teer
   (Linha 16): nem matei homem, nem ar mereci

- Joam Vaásquez, moiro por saber, João Vasques de Talaveira, Lourenço
   (Linha 16): nem matei homem, nem ar mereci
   (Linha 2): de citolares, ar queres cantar,

- Lourenço jograr, hás mui gram sabor, Lourenço, João Garcia de Guilhade
   (Linha 2): de citolares, ar queres cantar,
   (Linha 25): Des i ar gradece-mi-o mia senhor,

- Lourenço, soías tu guarecer, João Peres de Aboim, Lourenço
   (Linha 25): Des i ar gradece-mi-o mia senhor,

Maestre, tôdolos vossos cantares, Gonçalo Anes do Vinhal
   (Linha 3): e outrossi ar filham a mi som;

Mari'Mateu, ir-me quer'eu daquém, Afonso Anes do Cotom
   (Linha 9): e ar feze-os muito desejar

Maria Balteira, que se queria, Pedro Amigo de Sevilha
   (Linha 23): das aves vos ar convém a saber

Mentre m'agora d'al nom digo [nada], Pero da Ponte
   (Linha 11): nem m'ar tem'eu de nunca del prender

- Meu amigo, quero-vos preguntar, João Airas de Santiago
   (Linha 15): - Nem m'ar neguedes o que vos disser.

Mia senhor fremosa, direi-vos ũa rem:, Nuno Anes Cerzeo
   (Linha 14): pero vem m'en coita grand'; e vos direi ar:

Muito bem mi podia Amor fazer, Vasco Peres Pardal
   (Linha 6): e, pois cuid'i muit', ar quer-me matar,

Muito per dev'agradecer, João Soares Somesso
   (Linha 17): per mim; nem ar sei hoj'eu quem

Muitos têm hoje por meu trobar, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 9): que o nom sabe, nem ar há poder

Muitos vej'eu que, com mêngua de sem, Fernão Gonçalves de Seabra
   (Linha 8): Nem ar catam como perdem seu sem

Nom há home que m'entenda, Fernão Rodrigues de Calheiros
   (Linha 15): Nem m'ar convém que emprenda

Nom sei dona que podesse, Fernão Pais de Tamalhancos
   (Linha 15): Nem ar sei prol que m'houvesse

Nom soube que x'era pesar, Vasco Gil
   (Linha 8): Nom ar soube parte d'afã,

Nostro Senhor Deus! e por que neguei, Rui Queimado
   (Linha 27): nem ar havia peor a estar

Nostro Senhor! como jaço coitado, Martim Soares
   (Linha 10): fez e m'ar faz viver tam alongado

Nostro Senhor! e ora que será, Rui Queimado
   (Linha 23): lhe Vós fezestes em tod', ar cuid'al,

Nostro Senhor, com'eu ando coitado, Martim Soares
   (Linha 5): des i ar hei mui gram sabor de morar

Nunca [a]tam gram torto vi, João Garcia de Guilhade
   (Linha 10): des i ar quer sa molher bem

Nunca fiz cousa de que me tam bem, Rui Queimado
   (Linha 25): Se mi ar quiser fazer algũa rem

[D]o meu amigo, que me faz viver, João Servando
   (Linha 4): e, pois eu logo por el ar morrer,

O mui fremoso parecer, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 13): E al vos ar quero dizer

O que da guerra levou cavaleiros, Afonso X
   (Linha 35): e a sa terra ar foi armar manto,

O voss'amig'há de vós gram pavor, João Airas de Santiago
   (Linha 17): nen'o dirá, e ar diz outra rem,

Ogan[o], em Muimenta, João Soares Somesso
   (Linha 8): e a[r] ela, se se com Chora vai.

Oimais quer'eu já leixá'lo trobar, D. Dinis
   (Linha 11): senom da morte; mais ar hei pavor

Ora, senhor, tenho muit'aguisado, Estêvão da Guarda
   (Linha 20): nom quedarei ar, meu bem e meu lume,

Par Deus, fremosa mia senhor, Osoiro Anes
   (Linha 6): quando ar quiserdes pr[azer]

Par Deus, senhor, sei eu mui bem, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 4): Mais se o sei, nom ar sei rem

Pedr'Amigo duas sobêrvias faz, Lourenço
   (Linha 6): ar diz que o leix'eu, que sei seguir

Per como achamos na Santa Escritura, Martim Moxa
   (Linha 18): nem ar têm per u se pag'a renda.

Pero d'Ambroa, haveredes pesar, Pero Mafaldo
   (Linha 15): Ar pesará-vo-l'o que vos disser

Pero m'eu hei amigos, nom hei ni um amigo, João Soares Coelho
   (Linha 3): hei, nem ar hei a quem ous'en mais dizer; e digo:
   (Linha 20): mais ar quer'ora de vós saber al:

- Pero Martiins, ora por caridade, Vasco Gil, Pero Martins
   (Linha 20): mais ar quer'ora de vós saber al:

Por Deus, que vos fez, mia senhor, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 12): leix'ar per vós, per quem a hei,

Por Deus, senhor, tam gram sazom, Pero Gomes Barroso
   (Linha 7): Nem ar cuidei, des que vos vi,

Por mui coitado per tenh'eu, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 18): E vedes que mi ar fez por en:

Por vós, senhor fremosa, pois vos vi, Martim Moxa
   (Linha 3): mais pero, quando ar cuid'em qual senhor

Quam muit'eu am'ũa molher, Fernão Garcia Esgaravunha
   (Linha 3): nem ar sabe quam gram pavor

Que pret'esteve de me fazer bem, João Mendes de Briteiros
   (Linha 20): fez-me veer-vos e ar fez log'i

Quer'eu, amigas, o mundo loar, João Garcia de Guilhade
   (Linha 4): ar faz-mi meu amigo muit'amar;
   (Linha 9): e em trobar muito vos ar loades;

- Quero que julguedes, Pero Garcia, Lourenço, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 9): e em trobar muito vos ar loades;

Quero-vos eu, mia irmana, rogar, Bernal de Bonaval
   (Linha 4): e ar quero-vos d'al desenganar:
   (Linha 12): Com'esso dizes, ar di ũa rem:

- Rodrig'Eanes, queria saber, Lourenço, Rodrigo Anes de Alvares
   (Linha 12): Com'esso dizes, ar di ũa rem:

Sazom é já de me partir, Osoiro Anes
   (Linha 32): nem lh'ar querrei leixar o meu".

Se eu a Deus algum mal mereci, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 4): e mui fremos'e ar fez-me des i

Se soubess'ora mia senhor, João Lobeira
   (Linha 16): e ar praz-mi de o saber:

Sempre vos eu doutra rem mais amei, Afonso Sanches
   (Linha 3): des i ar hei gram mal e desamor

Senhor do mui bom parecer, Pero Mafaldo
   (Linha 5): senhor, ar maravilham-s'en

Senhor fremosa, convém-mi a rogar, Fernão Garcia Esgaravunha
   (Linha 12): vos El faz tanto. E al mi ar convém

Senhor fremosa, des aquel dia, Pero de Armea
   (Linha 9): quant'amo vós, nem ar poderia;

Senhor fremosa, par Deus, gram razom, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 21): nom vos am'eu por vos ar desamar,

Senhor fremosa, pois no coraçom, D. Dinis
   (Linha 9): nem ar atendo jamais de vós al,

Senhor, des quando vos vi, D. Dinis
   (Linha 9): e de vós nom ar hei al,

Senhor, e assi hei eu a morrer?, Nuno Anes Cerzeo
   (Linha 10): E ar fez logo mui gram desamor,
   (Linha 3): com amor, que vos nom leixa, nem vos ar

- Senhor, eu quer'ora de vós saber, Anónimo, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 3): com amor, que vos nom leixa, nem vos ar

Senhor, per vós sõo maravilhado, Pero Garcia Burgalês
   (Linha 6): e por vos ar dizer log'outra rem:

Sueir'Eanes, este trobador, Pero da Ponte
   (Linha 4): que ar hajam os outros del pavor,

Sueir'Eanes, um vosso cantar, Afonso Anes do Cotom
   (Linha 8): E outro trobador ar quis travar

Tam muito vos am'eu, senhor, Pero da Ponte
   (Linha 22): mais nunc'ar fui guardado

Tanto me senç'ora já coitado, Vasco Praga de Sandim
   (Linha 7): nem ar desejar nẽum bem!

Tôdalas gentes mi a mi estranhas som, Nuno Anes Cerzeo
   (Linha 22): se eu houvess'o voss'amor, e ar sei

U m'eu parti d'u m'eu parti, João Garcia de Guilhade
   (Linha 6): e mais vos ar quero dizer:

Vistes o cavaleiro que dizia, Fernão Rodrigues de Calheiros
   (Na rubrica)