João Peres de Aboim
Trovador medieval

Nacionalidade: Portuguesa

Notas biográficas:

Trovador e magnate português, cuja biografia é relativamente conhecida, até por dela se terem ocupado D. Carolina Michaëlis, ou, mais recentemente, Leontina Ventura. Natural de Aboim da Nóbrega, a sul de Ponte da Barca, no Entre-Douro-e-Minho, onde terá nascido por volta de 1213, era filho de Pero Ourigues da Nóbrega, camareiro do infante Afonso (futuro Afonso III). Em 1230, partiu com o pai para França, acompanhando o infante na sua estadia de cerca de quinze anos na corte francesa, junto de sua tia Branca de Castela, viúva de Luís VIII e regente. Com ele regressaria em 1245, no início da guerra civil que levaria o então Conde de Bolonha ao trono. A partir desse momento, D. João de Aboim, feito rico-homem por Afonso III, torna-se uma das mais importantes figuras da corte do Bolonhês, sendo sucessivamente conselheiro régio (desde 1248), alferes (1250-1255), mordomo da rainha D. Beatriz (1254-1259) e, a partir de 1264 até à morte do monarca, mordomo-mor da cúria. Foi ainda tenente de Ponte de Lima e do Alentejo. Para além dos cargos desempenhados, recebeu igualmente numerosas doações do rei, das quais a mais importante terá sido a concessão, em 1261, do senhorio de Portel, com a permissão de aí construir um castelo. Através destas doações, mas também por compras ou trocas, construiu um imenso património, detendo bens um pouco por todo o país, tanto na sua região de origem, o Entre-Douro-e-Minho, como na Beira Litoral (Coimbra, Leiria, Ourém), no Ribatejo (Santarém, Torres Novas, Cartaxo), na Estremadura (Lisboa, Torres Vedras, Mafra, Sintra) ou no Alentejo (onde, além de Portel, fundou Vila Boim e o mosteiro de Marmelar), numa listagem pouco exaustiva. Como nos dizem os Livros de Linhagens, possuiu ele próprio uma corte senhorial com mui bons vassalos.
Depois da morte de Afonso III, continua a assinar documentos na corte de D. Dinis, agora como tenente de Évora. Acrescente-se, no entanto, que D. João de Aboim é um dos signatários da sentença contra o infante Sancho de Castela, lavrada por Afonso X em Sevilha, em 1282 (o que talvez indicie algum afastamento em relação à política do monarca português, que tomou o partido do infante no grave conflito sucessório que manteve com seu pai).
Logo aquando do seu regresso a Portugal, em 1246, D. João casara com Marinha Afonso de Arganil, de quem teve dois filhos. Faleceu em Março de 1285 e está sepultado no mosteiro de Marmelar.

Cantigas contrafacta de João Peres de Aboim


- Lourenço, soías tu guarecer

Original:

Dame, merci, une rien vos demant, por Thibaut de Navarre