Gonçalo Anes do Vinhal
Trovador medieval

Nacionalidade: Portuguesa

Notas biográficas:

Trovador português, mas cuja carreira se desenrolou maioritariamente em Castela, e num claro percurso de ascensão social, D. Gonçalo Anes, quarto senhor do Vinhal, terá nascido na segunda década do século XIII, na região entre Felgueiras e Celorico de Basto. Não sabemos a data exata da sua saída de Portugal, nem os motivos (os quais, como os de tantos outros cavaleiros portugueses que rumaram a Castela nessa época, poderão relacionar-se com a crescente tensão em torno de Sancho II), mas, em 1243 está já atestado como tenente de Helin e de Isso, na região de Múrcia, em cuja conquista certamente participou, ao lado do infante Afonso (futuro Afonso X), de quem, a partir destes anos, parece ter sido muito próximo. Com ele participa igualmente na conquista de Sevilha, cinco anos depois, sendo largamente beneficiado no seu repartimento. É possível que tenha regressado por algum tempo a Portugal (onde terá permanecido até 1256, como supõe Resende de Oliveira), já que por esta época a vila de Moimenta da Beira é-lhe doada por Afonso III.
Regressa, no entanto, a Castela, onde continua a receber bens e mercês de Afonso X, nomeadamente, logo em 1257, a vila e castelo de Aguilar, na região de Córdova, em torno do qual constituirá um importante senhorio, transformado em morgadio em 1275. É possível que a concessão deste último privilégio, raro na época, se relacione com as várias missões delicadas que desempenhou ao serviço do monarca, nomeadamente servindo como mediador no grave conflito que opôs o Rei Sábio à nobreza rebelde (1272-1275). Segundo nos informa ainda Resende de Oliveira, há novamente notícia da sua passagem por Portugal em 1276, seguida de um novo regresso ao reino vizinho, mas desta vez a uma Castela onde crescia a tensão entre Afonso X e seu herdeiro, o infante Sancho, cujo partido, ao que tudo indica, acaba por tomar. Após a morte de Afonso X, em 1284, ocupa um lugar destacado na corte de Sancho IV, acabando por morrer combatendo a seu lado na Veiga de Granada, muito possivelmente em 1285.
D. Gonçalo casou duas vezes, a primeira, talvez logo por volta de 1243, com D. Joana Rodrigues, da importante linhagem dos Castro (m. 1260), e a segunda, um pouco antes de 1270, com a aragonesa D. Berengária de Cardona, filha do visconde de Cardona, Ramón Folch, uma das figuras mais importantes da nobreza catalã.

Cantigas contrafacta de Gonçalo Anes do Vinhal


Pero Fernándiz, home de barnage

Original:

Quant hom honratz torna en gran paubreira,, por Peire Vidal