João Lopes de Ulhoa - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 199, B 350
(C 350)

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

A mia senhor, que me foi amostrar
Deus por meu mal, por vos eu nom mentir,
e que sempr'eu punhei de a servir
muit', houve gram sabor de m'enganar:
5ca me falou primeir', u a vi, bem;
e pois que viu que perdia o sem
por ela, nunca m'er quiso falar.
  
E se m'eu dela soubesse guardar,
quando a vi, punhara de guarir;
10mais foi-m'ela bem falar e riir,
e falei-lh'eu; e nom a vi queixar,
nem se queixou que a chamei "senhor"!
E pois me viu mui coitado d'amor,
prougo-lhe muit'e nom m'er quis catar!
  
15E pois me queria desemparar,
quando a vi, mandasse-me partir
logo de si! E mandasse-m'end'ir!
Mais nom lhe vi de nulha rem pesar
que lh'eu dissesse, tam bem me catou!
20E pois viu que seu amor me forçou,
leixou-m'assi desemparad'andar.
  
E deferença dev'end'a filhar
tod'home, que dona fremosa vir,
de mim: e guarde-se bem de nom ir,
25com'eu fui log', em seu poder entrar;
ca lh'averrá com'aveo a mim:
servi-a muit', e pois que a servi,
fez-mi aquesto quant'oídes contar!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 200, B 351

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quand'eu podia mia senhor
veer, bem desejava entom
dela eno meu coraçom;
e nom querria já melhor:
5       de lhe falar e a veer
       e nunca outro bem haver.
  
Chorand'entom dos olhos meus,
com tanto bem, desejand’al!
E sofr'agora muito mal,
10e nom querria mais a Deus:
       de lhe falar e a veer
       e nunca outro bem haver.
  
Eu perdia entom o sem
quando lhe podia falar;
15por seu bem, que me desejar
fez Deus, me fezess’este bem:
       de lhe falar e a veer
       e nunca outro bem haver.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 201, B 352

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ando coitado por veer
um home que aqui chegou,
que dizem que viu mia senhor;
e dirá-me se lhe falou.
5       E falarei com el muit'i
       em quam muit'há que a nom vi.
  
Por amor de Deus, quen'o vir,
diga-lhe que sa prol será
de me veer. E veê'-l'-ei
10porque a viu, e falar-mi-á.
       E falarei com el muit'i
       em quam muit'há que a nom vi.
  
Ca muito per há gram sabor,
quem senhor ama, de falar
15en'ela, se acha com quem;
e por en vou aquel buscar!
       E falarei com el muit'i
       em quam muit'há que a nom vi.
  
Pero sei eu dela, de pram,
20ca nom m'enviou rem dizer,
mas do hom'hei eu gram sabor,
porque a viu, de o veer.
       E falarei com el muit'i
       em quam muit'há que a nom vi.
  
25Ca nunca vi, des que a vi,
outro prazer, se a nom vi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 202, B 353

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quand'hoj'eu vi per u podia ir
a essa terra u é mia senhor,
e u eu d'ir havia gram sabor
e me dali nom podia partir,
5       chorei tam muito destes olhos meus
       que nom vi rem e chamei muito Deus!
  
Preto fui en, que podera chegar,
se eu ousasse, ced'u ela é;
mais houvi gram coita, per bõa fé,
10e pois dali me nom ousei quitar,
       chorei tam muito destes olhos meus
       que nom vi rem e chamei muito Deus!
  
Por mal de mim hoj'eu o logar vi
per u iria, se ousasse, alá;
15pero m'ela nom fez bem, nem fará,
catand'alá, direi-vos que fiz i:
       chorei tam muito destes olhos meus
       que nom vi rem e chamei muito Deus
  
que me valess'; e nom quis El assi,
20nem me deu rem de quanto lhe pedi!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 203, B 354

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Nostro Senhor, que me fez tanto mal,
ainda me pod'ria fazer bem,
se mia senhor, per quem [m']este mal vem,
eu visse ced'; e nom Lhe peço al:
5       ca se eu fosse fiz de a veer,
       nom querria do mundo mais haver!
  
Por quanto Lh'eu roguei e Lhe pedi,
quand'eu podia veer mia senhor,
nom Lho peço, nem querria melhor:
10de mi a mostrar, u m'eu dela parti;
       ca se eu fosse fiz de a veer
       nom querria do mundo mais haver!
  
Ca muit'há já que Lh'eu sempre roguei
por outro bem e nom mi o quis El dar
15de mia senhor; e fui-mi ora guisar
que a nom vej', e non'a veerei:
       ca se eu fosse fiz de a veer
       nom querria do mundo mais haver!
  
E rogo-Lh'eu que, se Lh'a El prouguer,
20mostre-mi-a ced'; e quanto mal me fez
nom será rem, se m'oir esta vez,
meu Senhor Deus, e mi a mostrar quiser:
       ca se eu fosse fiz de a veer
       nom querria do mundo mais haver!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 204, B 355

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Juro-vos eu, fremosa mia senhor,
(se Deus me leixe de vós bem haver
e se nom, leixe-me por vós morrer!)
que, pois fui nado, nunca dona vi
5tam fremosa come vós, nem de mi
tam amada com'eu vos sei amar.
  
E pois vos amo tanto, mia senhor,
se vós quiserdes, quero-vos dizer
qual coita me vós fazedes sofrer!
10E nom queredes que vos eu fal'i!
E nom poss'eu muito viver assi
que nom moira mui cedo com pesar
  
que hei mui grande desto, mia senhor:
de que me nom queredes gradecer
15de vos servir, nem de vos bem querer.
E dizedes, de quanto vos servi,
que fiz mal-sem, que atant'i perdi;
e empero nom me poss'en quitar,
  
nem quitarei, enquant'eu vivo for,
20de vos servir, senhor, e vos amar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 205, B 356

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Em que afã que hoje viv'! E sei
que, enquant'eu eno mundo viver,
afã e coita hei sempre d'haver!
Vedes por quê: por quanto vos direi:
5por ũa dona que eu quero bem
atal por que hei perdudo meu sem
e por que hei mui cedo de morrer!
  
Ca me dá coita! - que, de pram, bem sei
que nom poss'eu muit'assi guarecer;
10ca ela já nom m'há bem de fazer,
nen'o atendo, nen'o haverei.
Nem rog'a Deus eu já por outra rem
senom por morte que me dê por en
- se perderei coita, pois que morrer.
  
15Ca, sem al, já eu esto ben'o sei
(ca mi o faz Deus e mia senhor saber,
que me fazem atal coita sofrer
qual vos eu digo) que nom poderei
aquesta coita, que m'em coita tem,
20perder por al, se me cedo nom vem
mia mort'; e por en querria morrer.
  
Ca, per quant'eu de mia fazenda sei,
o melhor é pera mi de morrer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 206, B 357

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Nostro Senhor! que nom fui guardado
d'eu em tal tempo com'este viver!
Que o que soíam por bem teer
ora o têm por desguisado!
5Que este mund'é já tornad'em al,
que todo prez têm ora por mal!
A que mal tempo eu som achegado!
  
Que mal fui eu desaventurado
que em tal tempo fui [gram] bem querer
10atal dona, de que nom poss'haver
bem e por que ando mui coitado!
E as gentes, que me veem andar
assi coitado, vam en posfaçar
e dizem: "Muit'anda namorado."
  
15De mim ham já muito posfaçado
porque sabem ca lhe quero gram bem,
- que me deviam a preçar por en,
e por en som mais pouco preçado;
e viv'em coita, nunca maior vi,
20e mia senhor nom me quer valer i,
e assi fiquei desamparado.
  
E esta coita tem-me chegado
a mort'e nom guarrei per nium sem,
pois mia senhor nom quer por mi dar rem,
25de que eu sempre andei enganado.
E moir'! E pois preto da mort'estou,
muito me praz, que enfadado vou
deste mundo que é mal parado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 207, B 358

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Coit'haveria, se de mia senhor,
quando a visse, cuidass'haver bem,
e nom poder'eu vee-la per rem!
Pois end'agora tam gram coita hei,
5       como, se dela bem cuidass'haver,
       nom morreria mais pola veer.
  
O que nom cuido mentr'eu vivo for
nen'o cuidei nunca, des que a vi:
d'haver seu bem; e pero est assi,
10hei tam gram coita d'ir u ela é,
       como, se dela bem cuidass'haver,
       nom morreria mais pola veer.
  
Nom andaria mais ledo, de pram,
do que eu ando porque cuid'a ir
15u ela é, que moiro por servir;
e assi moiro pola veer já,
       como, se dela bem cuidass'haver,
       nom morreria mais pola veer.
  
Pero entendo que faço mal sem
20em desejar meu mal come meu bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 208, B 359

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Se eu moiro, ben'o busquei!
Porque eu tal senhor filhei:
ũa dona de que já sei
que nunca posso bem haver!
5E sempre lh'eu gram bem querrei:
       e dereit'é d'assi morrer.
  
De que m'eu podera quitar,
se m'ende soubesse guardar;
mais havia de lhe falar
10gram sabor e de a veer!
E tornou-se-m'em gram pesar:
       e dereit'é d'assi morrer.
  
U a primeiramente vi
mui fremosa, se eu dali
15fugiss'e nom ar tornass'i,
assi podera mais viver!
Mas nom cuidei que foss'assi:
       e dereit'é d'assi morrer.
  
Quando a filhei por senhor,
20nom me mostrava desamor,
e ora muit'há gram sabor
de mia morte cedo saber,
porque fui seu entendedor:
       e dereit'é d'assi morrer.
  
25E veerá mui gram prazer,
quando m'agora vir morrer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 209, B 360

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Sempr'eu, senhor, roguei a Deus por mi
que me desse de vós bem; e nom quer!
Mais quero-lh'al rogar; e pois souber
que lh'al rogo, al me dará log'i:
5       ca lhe rog'eu que nunca me dê bem
       de vós, e cuido que mi o dê por en!
  
E per aquesto quero eu provar
Deus, ca muit'há que lhe por al roguei
de vós, senhor; mais ora veerei
10se me tem prol de o assi rogar:
       ca lhe rog'eu que nunca me dê bem
       de vós, e cuido que mi o dê por en!
  
Pois assi é que m'El sempre deu al,
e al desej'eu no meu coraçom,
15rogar-lh'-ei est'e cuidará que nom
será meu bem e dará-mi-o por mal:
       ca lhe rog'eu que nunca me dê bem
       de vós, e cuido que mi o dê por en!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 695, V 296
(C 695)

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Oí ora dizer que vem
meu amigo, de que eu hei
mui gram queixum'e haverei,
se m'el mentir, por ũa rem:
5       como pod'aquesto fazer:
       poder sem mi tanto morar
       u mi nom podesse falar?
  
Nom cuidei que tam gram sazom
el podesse per rem guarir
10sem mi, e, pois que o eu vir,
se mi nom disser log'entom
       como pod'aquesto fazer:
       poder sem mi tanto morar
       u mi nom podesse falar.
  
15Perder-m'-á, se o nom souber
- que terra foi a que achou
u el sem mi tanto morou -
se mi verdade nom disser
       como pod'aquesto fazer:
20       poder sem mi tanto morar
       u mi nom podesse falar?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 696, V 297

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Ai Deus, u é meu amigo,
que nom m'envia mandado?
Ca preit'havia comigo,
ergo se fosse coitado
5       de morte, que se veesse
       o mais cedo que podesse.
  
Quando s'el de mi partia
chorando fez-mi tal preito,
e disse quand'e qual dia,
10ergo se fosse maltreito
       de morte, que se veesse
       o mais cedo que podesse.
  
E já o praz'é passado
que m'el disse que verria,
15e que mi havia jurado,
sem gram coita, todavia,
       de morte, que se veesse
       o mais cedo que podesse.
  
E se eu end'al soubesse,
20que nunca lhi bem quisesse.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 697, V 298

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Que trist'hoj'eu and'e faço gram razom:
foi-s'o meu amig', e o meu coraçom,
       donas, per bõa fé,
       alá est u el é.
  
5Com [a]tam gram coita perderei o sem;
foi-s'o meu amig[o], e todo meu bem,
       donas, per bõa fé,
       alá est u el é.
  
Perderei o sem, donas, ou morrerei;
10foi-s'o meu amig[o], e quanto bem hei,
       donas, per bõa fé,
       alá est u el é.
  
Que adur quitou de meus olhos [os] seus;
foi-s'o meu amig', e o lume dos meus,
15       donas, per bõa fé,
       alá est u el é.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 698, V 299

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Eu fiz mal sem qual nunca fez molher,
pero cuidei que fazia bom sem
do meu amigo que mi quer gram bem;
e mal sem foi, pois m'el tam gram bem quer,
5       que o tive sempr'em desdém; e nom
       pod'el saber rem do meu coraçom.
  
Ca nunca de mi pôd'entender al,
e com essa coita se foi daqui,
e fiz mal se[m], nunca tam mal sem vi,
10por que o fiz, e acho-m'ende mal,
       que o tive sempr'em desdém; e nom
       pod'el saber rem do meu coraçom.
  
Por lhi dar coita, por sabê'lo seu
coraçom bem, que eu sabia já,
15m'encobri de mais sempr', e já será
mal pera mi, ca mal o per fiz eu,
       que o tive sempr'em desdém; e nom
       pod'el saber rem do meu coraçom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 699, V 300

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Já eu sempre mentre viva for, viverei mui coitada,
porque se foi meu amigo, e fui eu i muit'errada
       por quanto lhi fui sanhuda, quando se de mi partia,
       par Deus, se ora chegasse, co el mui leda seria.
  
5E tenho que lhi fiz torto de me lh'assanhar doado,
pois que mi o nom merecera, e foi-se por en coitado
       por quanto lhi fui sanhuda, quando se de mi partia,
       par Deus, se ora chegasse, co el mui leda seria.
  
El de pram que esto cuida: que éste migo perdudo;
10ca senom logo verria, mais por esto m'é sanhudo,
       por quanto lhi fui sanhuda, quando se de mi partia,
       par Deus, se ora chegasse, co el mui leda seria.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 700, V 301

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Eu nunca dórmio nada, cuidand'em meu amigo,
el que tam muito tarda, se outr'amor há sigo
       ergo lo meu, querria
       morrer hoj'este dia.
  
5E cuid'em esto sempre, nom sei que de mi seja,
el que tam muito tarda, se outro bem deseja
       ergo lo meu, querria
       morrer hoj'este dia.
  
Se o faz, faz-mi torto, e, par Deus, mal me mata,
10el que tam muito tarda, se outro rostro cata
       ergo lo meu, querria
       morrer hoj'este dia.
  
Ca meu dano seria
de viver mais um dia.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 701, V 302

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Que mi queredes, ai madr'e senhor?
Ca nom hei eu no mund'outro sabor
       senom catar ali per u há viir
meu amigo, por que moiro d'amor,
5       e nom poss'end'eu os olhos partir.
  
Já me feristes cem vezes por en
[e] eu, mia madre, nom hei outro bem
       senom catar ali per u há viir
meu amigo, por que perço o sem
10       e nom poss'end'eu os olhos partir.
  
Por aquel Deus que vos fez[o] nacer,
leixade-me, que nom poss'al fazer
       senom catar ali per u há viir
meu amigo, por que quero morrer,
15       e nom poss'end'eu os olhos partir.