João Soares Somesso


Quem bõa dona gram bem quer,
 de pram, todo dev'a sofrer
quanto lh'ela quiser fazer;
e se lh'algum pesar fezer,
5ben'o dev'a sofrer em paz
e mostrar sempre que lhe praz
de quanto a ela prouguer.
  
E pois que lh'esto feit'houver,
outro conselho há i d'haver:
10guardar-se bem de lho saber
por rem nulh'homem nem molher,
ca tod'est'em dereito jaz;
e se lh'hom'aquesto nom faz,
de mais viver nom lh'é mester.
  
15Mais pero quen'a servirá
quanto a mais poder servir,
pola nom poder encobrir,
por esto, por que morrer[á]?
Non'o dev'a leixar morrer,
20ca nom est hom'em seu poder,
pois que gram coita d'amor há.
  
Mais por qual guisa poderá
os seus olhos dela partir
home coitado, poila vir?
25Ca todo [seu] sem perderá
com gram sabor de a veer!
Ca 'ssi o faz a mim perder
Amor – tam gram coita me dá!



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Conselhos do trovador aos apaixonados, que partem da própria experiência, como diz (apenas) nos dois últimos versos da composição. Quem ama uma boa dona (e a expressão é aqui usada tanto no sentido moral, como social - uma senhora da aristocracia) deve, antes de mais, suportar tudo o que ela lhe quiser fazer, incluindo sofrer com paciência algum desgosto, mostrando-lhe que lhe agrada tudo o que lhe agradar. Deverá, em segundo lugar, guardar segredo, de forma a que ninguém saiba o que se passa; se não o fizer, não vale a pena continuar a viver. E é exatamente sobre as dificuldades em guardar este segredo que o trovador fala nas duas últimas estrofes.
Na verdade, pergunta, se alguém servir o mais que puder uma dama, por que haverá de morrer se não conseguir esconder quem ela é? A senhora não deverá deixar que isso aconteça, uma vez que um homem apaixonado não tem domínio sobre si próprio. E exemplifica na última estrofe: como poderá ele tirar os seus olhos dela, quando a vê, se o prazer de a ver lhe faz perder a razão? Tal como o Amor lhe fez perder a ele, fazendo-o enormemente sofrer.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras doblas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 30, B 123

Cancioneiro da Ajuda - A 30

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 123


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas