Pesquisa no glossário
  (linha 17)

Rui Fernandes de Santiago


 Ora nom dev'eu preçar parecer,      ←
nem palavra que eu haja, nem sem,      ←
nem cousa que em mi seja de bem,      ←
pois vos eu tanto nom posso dizer      ←
5       que vos queirades, amigo, partir       ←
       de Sevi[lha................].      ←
  
[...]      ←
  
Outra senhor vos convém a buscar,      ←
 ca nunca vos jamais por meu terrei,      ←
10pois ides, mais ca por mi, por el-rei      ←
fazer, nem vos po[sso] tanto rogar      ←
       que vos queirades, amigo, partir      ←
       de Sevi[lha..............]      ←
  
Nunca vos mais paredes ante mim,      ←
 15se vos em algũa sazom d'alá      ←
com meus desejos veerdes acá,      ←
pois m'eu tanto nom poss'aficar i      ←
       que vos queirades, amigo, partir      ←
       de Sevi[lha..............]      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

A moça mostra o seu desagrado com o facto de o seu amigo não querer vir ter com ela, preferindo ficar com o rei (em Sevilha). Uma vez que a beleza e as restantes qualidades deixaram de ter qualquer valor para ele, e todas as suas súplicas nada adiantam, o melhor será ele arranjar outra senhora e nunca mais lhe aparecer à frente (quando, eventualmente, lhe vierem as saudades).
A cantiga tem sequência na cantiga seguinte (embora, tematicamente, esta pareça corresponder a um momento posterior - se bem que as dificuldades textuais que referimos na nota aos vv. 5-6 não nos permitam ter certezas).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 931, V 519

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 931

Cancioneiro da Vaticana - V 519


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas