Rui Fernandes de Santiago


Quand'eu vejo las ondas
e las muit'altas ribas,
logo mi vêm ondas
  al cor, pola velida:
5       maldito seja'l mare
       que mi faz tanto male!
  
Nunca ve[j]o las ondas
nen'as altas debrocas
que mi nom venham ondas
10al cor, pola fremosa:
       maldito seja'l mare
       que mi faz tanto male!
  
Se eu vejo las ondas
e vejo las costeiras,
15logo mi vêm ondas
al cor, pola bem feita:
       maldito seja'l mare
       que mi faz tanto male!



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Apaixonado, o trovador confessa que quando vê as ondas e as altas arribas da costa logo sente no seu coração as ondas da paixão pela sua formosa dama. E maldiz então o mar, que lhe faz tanto mal (como sugere Arias Freixedo1, é possível que o trovador estivesse embarcado em campanhas militares).
De resto, sendo esta uma composição em voz masculina, que teremos de classificar como cantiga de amor, saliente-se, no entanto, o seu marcado caráter híbrido com o género cantiga de amigo, visível quer nos cenários naturais, quer no vocabulário usado (velida, formosa), quer ainda na sua estrutura formal paralelística (ou no uso arcaizante do e paragógico nas palavras finais dos versos do refrão).

Referências

1 Árias Freixedo, Xosé (2003), Antoloxia da lírica galego-portuguesa, Vigo, Edicións Xerais, 818.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras rima a uníssona, rima b singular e assonante
Dobre: uníssono: ondas (v. 1 e 3 de cada estrofe)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 903, V 488

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 903

Cancioneiro da Vaticana - V 488


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Quand’eu vejo las ondas      versão audio disponível

Versão de Manuel Pedro Ferreira, Paul Hillier

Quand'eu vejo las ondas      versão audio disponível

Versão de Manuel Pedro Ferreira, Vozes Alfonsinas

Quand'eu vejo las ondas      versão audio disponível

Versão de Manuel Pedro Ferreira, Grupo Segrel

Composição/Recriação moderna

Maldito Sexa El Mare      versão audio disponível

Versão de X. Paz Antón, Uxía

Maldito sei al mare      versão audio disponível

Versão de Barahúnda