Pero de Ornelas


Nostro Senhor! e ora que será
daquel que sempre coitado viveu,
 que viv'e cuida por en ser sandeu
ca sabe bem que nunca perderá
5       esta coita, ca nom quer sa senhor?
  
E que será do que quis mui gram bem
e quer a quem lho nom quer gradecer,
nem lhi quer por end'outro bem fazer
e sabe que nom perderá per rem
10       esta coita, ca nom quer sa senhor?
  
E que será do que sempre servir
foi quem lhi quis e quer por en[de] mal
e nunca lhi por en quis fazer al
e que nunca de si pode partir
15       esta coita, ca nom quer sa senhor?



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Em forma de perguntas retóricas, o trovador dá conta do desespero de quem ama sem ser amado, e se reconhece louco mas não consegue renunciar a esse amor nem deixar de sofrer.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 625, V 226
(C 625)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 625

Cancioneiro da Vaticana - V 226


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

[Nostro senhor, e ora que será] 

Versão de Tomás Borba