D. Dinis


Quant'eu, fremosa mia senhor,
de vós receei a veer,
muit'er sei que nom hei poder
de m'agora guardar que nom
 5veja; mais [sei] que morrerei
aquel dia (tal confort'hei),
e perderei coitas d'amor.
  
E como quer que eu maior
pesar nom podesse veer
10do que entom verei, prazer
 hei ende, se Deus mi perdom:
porque por morte perderei
aquel dia coita que hei,
qual nunca fez Nostro Senhor.
  
15E pero hei tam gram pavor
daquel dia grave veer,
qual vos sol nom posso dizer,
confort'hei no meu coraçom:
porque por morte sairei
20aquel dia do mal que hei,
peior do que Deus fez peior.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador receia que aquilo que sempre mais temeu da sua senhora esteja muito próximo (talvez a ruptura? talvez a sua partida? - é difícil dizer). Mas reconforta-o a ideia de que, nesse dia, uma vez que vai morrer, acabará o seu sofrimento.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras uníssonas
Palavra(s)-rima: veer (v. 2 de cada estrofe), hei (v. 6)
Palavra perduda: v. 4 de cada estrofe
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 501, V 84

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 501

Cancioneiro da Vaticana - V 84


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas