Vasco Gil


Nom soube que x'era pesar,
si me valha Nostro Senhor!,
quem Deus nom fez, a seu pesar,
longe viver de sa senhor,
 5u lhe nom possa rem dizer
da coita 'm que o faz viver
mui trist'e mui coitad'andar!
  
 Nom ar soube parte d'afã,
nem de gram coita nulha rem,
10o que nom sofreu est'afã
de nom poder per nulha rem
veer la senhor que bem quer!
E quem tal coita nom houver,
 o al nom lh'é coita, de pram!
  
15Esta tenh'eu por la maior
coita do mund', a meu coidar,
e nom pud'i haver maior;
e non'o quer'eu em coidar
esto per nulha rem meter,
20mais por verdade o dizer,
 como quem end'é sabedor.
  
Ca me fez Deus coitas saber,
porque mi as fez todas sofrer,
e tenh'end'esta por maior.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador considera que quem nunca viveu longe da sua amada e sem lhe poder falar não sabe verdadeiramente o que é sofrimento e angústia. Pois não poder ver a sua senhora é a dor maior do mundo - e não o diz, garante, apenas enquanto opinião geral, mas porque sabe, por experiência própria, que é a mais pura das verdades. E porque, tendo-lhe Deus dado todo o género de sofrimentos, está em condições de garantir que este é o maior.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras singulares
Dobre: pesar, afã, maior (vv. 1 e 3 de cada estrofe); senhor, nulha rem, coidar (vv. 2, 4)
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 155

Cancioneiro da Ajuda - A 155


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas