Rui Queimado


Preguntou Joam Garcia
da morte de que morria;
e dixe-lh'eu todavia:
       - A morte desto xe m'ata:
5       Guiomar Afonso Gata
       est a dona que me mata.
  
Pois que m'houve preguntado
de que era tam coitado,
dixe-lh'eu este recado:
10       - A morte desto xe m'ata:
       Guiomar Afonso Gata
       est a dona que me mata.
  
Dixe-lh'eu bem: - Já vos digo
a coita que hei comigo;
15per bõa fé, meu amigo,
       a morte desto xe m'ata:
       Guiomar Afonso Gata
       est a dona que me mata.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Composição nos limites dos géneros, como acontece com algumas outras do trovador, esta cantiga brinca com a revelação do nome da senhora (num jogo que se prolonga na cantiga seguinte). Aqui, Rui Queimado parece apenas responder "inocentemente" à pergunta de João Garcia (provavelmente de Guilhade), desvendando, contra todas as regras, o nome da sua amada - e colocando-o maliciosamente como refrão.



Nota geral


Descrição

Género incerto
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 142, B 263

Cancioneiro da Ajuda - A 142

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 263


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas