João Zorro


Em Lixboa, sobre lo mar,
barcas novas mandei lavrar,
       ai mia senhor veelida!
  
Em Lixboa, sobre lo lez,
5barcas novas mandei fazer,
       ai mia senhor veelida!
  
Barcas novas mandei lavrar
e no mar as mandei deitar,
       ai mia senhor veelida!
  
10Barcas novas mandei fazer
e no mar as mandei meter,
       ai mia senhor veelida!



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Conhecida cantiga que integra o ciclo de João Zorro que tem Lisboa como motivo. Pondo em cena uma voz masculina que anuncia simplesmente ter mandado fazer barcas novas em Lisboa, aí as lançando ao mar, esta composição só aparentemente é simples.
Note-se, em primeiro lugar, que, embora formalmente a tenhamos de classificar como uma cantiga de amor (já que a voz é masculina, como se disse), estamos não só bem longe do universo característico desse género, como muito perto do universo das cantigas de amigo (incluindo mesmo, para além da tradicional forma paralelística, um dos seus "marcadores" habituais, o termo velida). Esta simbiose entre os dois géneros é, desde logo, uma das originalidades da cantiga, Uma outra característica muito original é o facto de esta voz masculina não ser a do trovador, como seria de esperar, mas ser, manifestamente, uma voz aposta: a do construtor dos navios, o rei (D. Dinis, como tudo parece indicar). Dar voz ao rei é caso único na lírica galego-portuguesa (e mesmo na lírica em geral).
A composição entra, de resto, em diálogo direto com a cantiga de amigo que os manuscritos transcrevem logo a seguir, e onde uma voz feminina (no caso, a da mãe da donzela) se refere igualmente a estas barcas novas que el-rei de Portugale (...) mandou fazer.
Note-se finalmente que, mais uma vez, a paisagem ribeirinha de Lisboa (em Lixboa, sobre lo mar), longe de ser uma mera circunstância, parece "pintada" com particular atenção e gosto.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão e Paralelística
Cobras alternadas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1151bis/1152, V 754

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1151bis/1152

Cancioneiro da Vaticana - V 754


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Em Lixboa sobre lo mar 

Versão de José Augusto Alegria

Composição/Recriação moderna

Em Lisboa, sobre lo mar      versão audio disponível

Versões de Fernando Lopes-Graça

En Lixboa sobre lo mar      versão audio disponível

Versão de José Augusto Alegria, Pedro Caldeira Cabral

Em Lisboa sobre lo mar 

Versão de Frederico de Freitas

Em Lisboa sobre o mar      versão audio disponível

Versão de Pedro Barroso

En Lisboa sobre lo mar      versão audio disponível

Versões de Amancio Prada

En Lixboa, sobre lo mar      versão audio disponível

Versão de José Augusto Alegria, Avalon

En Lixboa sobre lo mar      versão audio disponível

Versão de José Augusto Alegria, César Prata, Assobio

En Lixboa      versão audio disponível

Versão de José Augusto Alegria, César Prata, Assobio, Dave Spritz

Cantigas de Amigo: Em Lixboa, sobre lo mar 

Versão de Ivan Moody

En Lixboa sobre lo mar      versão audio disponível

Versão de José Augusto Alegria, Mondeguinas - Tuna Feminina da Universidade de Coimbra