Martim de Caldas
Jogral medieval


Nacionalidade: Incerta

Notas biográficas:

Muito embora o topónimo Caldas seja comum à Galiza e a Portugal, atendendo à colocação das composições deste autor nos apógrafos italianos, é possível que se trate de um jogral galego, cuja atividade se teria desenrolado por meados ou finais do século XIII. Segundo Resende de Oliveira1, um Martim Pais de Caldas é referido nas Inquirições de 1258, no julgado de Penafiel de Bastuço (Barcelos). Não temos, no entanto, qualquer outro dado que nos permita identificá-lo com o jogral.


Referências

1 Oliveira, António Resende de (1994), Depois do espectáculo trovadoresco. A estrutura dos cancioneiros peninsulares e as recolhas dos séculos XIII e XIV, Lisboa, Edições Colibri.

Ler todas as cantigas (por ordem dos cancioneiros)


Cantigas (por ordem alfabética):


Ai meu amig'e lume destes meus
Cantiga de Amigo

Foi-s'um dia meu amigo daqui
Cantiga de Amigo

Madr'e senhor, leixade-m'ir veer
Cantiga de Amigo

Mandad'hei migo qual eu desejei
Cantiga de Amigo

Nostro Senhor, e como poderei
Cantiga de Amigo

Per quaes novas hoj'eu aprendi
Cantiga de Amigo

Vedes qual preit'eu querria trager
Cantiga de Amigo