Galisteu Fernandes
Jogral medieval


Nacionalidade: Incerta

Notas biográficas:

Nada se sabe sobre este autor, que, a julgar pela sua colocação nos cancioneiros, deverá ter sido jogral, como Lopo e Lourenço, os autores que o rodeiam. D. Carolina Michaëlis aventou a hipótese de ser leonês, natural da cidade de Galisteo (a forma correta para o seu nome sendo, neste caso, Fernandes de Galisteu)1. Na verdade, o topónimo Galisteu aparece numa cantiga de Martim Soares, aí certamente referindo não uma cidade leonesa, mas uma povoação a leste de Cáceres, na Extremadura espanhola. Seja como for, esta hipótese de se tratar de um erro na indicação do nome do jogral, não parece muito consistente. Resende de Oliveira2, mais uma vez atendendo à sua colocação nos manuscritos, supõe que seria galego e que teria desenvolvido a sua atividade por meados do século XIII. Mas não dispomos de qualquer informação concreta sobre a sua identidade ou percurso.


Referências

1 Vasconcelos, Carolina Michaëlis de (1990), Cancioneiro da Ajuda, vol. II, Lisboa, Imprensa nacional - Casa da Moeda (reimpressão da edição de Halle, 1904), p. 624, nota 1.

2 Oliveira, António Resende de (1994), Depois do espectáculo trovadoresco. A estrutura dos cancioneiros peninsulares e as recolhas dos séculos XIII e XIV, Lisboa, Edições Colibri.

Ler todas as cantigas (por ordem dos cancioneiros)


Cantigas (por ordem alfabética):


Dizem do meu amigo ca mi fez pesar
Cantiga de Amigo

Dizem-mi ora que nulha rem nom sei
Cantiga de Amor

Meu amigo sei ca se foi daqui
Cantiga de Amigo

[...] meu trobar
Cantiga de Amor

O voss'amigo foi-s'hoje daqui
Cantiga de Amigo

- Por Deus, amiga, que pode seer
Cantiga de Amigo