Mem Rodrigues Tenoiro
Trovador medieval


Nacionalidade: Castelhana

Notas biográficas:

Trovador castelhano (mas de uma linhagem proveniente de S. Pedro de Tenoiro, na região de Pontevedra, Galiza1), ativo na segunda metade do século XIII, nas cortes de Afonso X e Sancho IV. Segundo a genealogia proposta por D. Carolina Michaëlis2, seria ainda descendente, por via bastarda, de Afonso IX de Leão. Do seu percurso, sabemos que foi beneficiado no repartimento de Jeréz de la Frontera, entre 1264 e 1269, fixando-se posteriormente em Sevilha, onde ocupa, em 1277, o cargo de almoxarife. É possível que seja também ele o Mem Rodrigues beneficiado de novo no repartimento de Vejer de la Frontera, em 1288. Está ainda documentado como vassalo de Sancho IV em 1290 e é possível que tenha morrido pouco depois desta data (ou em 1295, como sugere Minervini3). De qualquer forma, e contrariamente ao que pensava D. Carolina, já não deve ser ele, mas sim um homónimo, o Mem Rodrigues Tenoiro documentado como vassalo de Fernando IV em 1309 e como adelantado mayor de la frontera em 1315. O facto Mem Rodrigues ser um dos autores presentes no Cancioneiro da Ajuda (que não inclui os autores mais tardios) assim o dá a entender.
Acrescente-se ainda que um seu parente próximo, Rui Peres Tenoiro (seu irmão, se não há confusão nos Nobiliários) foi o responsável pela morte do trovador Paio Gomes Charinho, assassinado em 1295, no contexto da difícil sucessão de D. Sancho IV de Castela, crime pelo qual foi condenado e executado nesse mesmo ano.


Referências

1 Oliveira, António Resende de (2001), O trovador galego-português e o seu mundo, Lisboa, Editorial Notícias, p. 198.

2 Vasconcelos, Carolina Michaëlis de (1990), Cancioneiro da Ajuda, vol. II, Lisboa, Imprensa nacional - Casa da Moeda (reimpressão da edição de Halle, 1904), p. 405.

3 Minervini, Vicenzo (1993), “Men Rodrigues Tenoiro”, in Lanciani, Giulia e Tavani, Giuseppe (org.), Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa , Lisboa, Editorial Caminho.

Ler todas as cantigas (por ordem dos cancioneiros)


Cantigas (por ordem alfabética):


- Amigo, pois mi dizedes
Cantiga de Amigo

Dom Estêvam achei noutro dia
Cantiga de Escárnio e maldizer

- Juïão, quero contigo fazer
Tenção

Pois que vos eu quero mui gram bem
Cantiga de Amigo

Quant'há, senhor, que m'eu quitei
Cantiga de Amor

Quiso-m'hoj'um cavaleiro dizer
Cantiga de Amigo


Autoria duvidosa:


Dom Estêvam, eu eiri comi
Cantiga de Escárnio e maldizer

Ir-vos queredes, amigo, daquém
Cantiga de Amigo

Quando m'eu mui triste de mia senhor
Cantiga de Amor

Quer'eu agora já meu coraçom
Cantiga de Amor

Se eu podess'ir u mia senhor é
Cantiga de Amor

Senhor fremosa, creede per mi
Cantiga de Amor

Senhor fremosa, pois m'aqui
Cantiga de Amor